Pedro Balsemão sobre TVI/Altice: “Quero que este negócio não avance”

À margem do congresso da APDC, Francisco Pedro Balsemão mostrou-se "preocupado" com a compra da TVI pela Meo/Altice. "Neste momento, enquanto gestor e cidadão, quero que este negócio não avance."

Francisco Pedro Balsemão, líder da Impresa, é uma voz crítica do negócio entre a concorrente TVI e a Altice, dona da MeoPaula Nunes / ECO

O nome Altice não se ouviu durante o debate do Estado da Nação dos Media, numa altura em que o grupo franco-israelita se prepara para adquirir a TVI. No entanto, à margem do congresso, Francisco Pedro Balsemão não deixou margem para dúvidas: está contra o negócio e, se avançar, haverá contra-ataque.

Em resposta a uma pergunta colocada pelo ECO, sobre se a Impresa poderia seguir um caminho semelhante caso a compra se efetive, Francisco Pedro Balsemão afirmou: “Neste momento, estou preocupado com este negócio. É natural que, se este negócio for aprovado, nós teremos que reagir. Agora, não sei dizer como. Neste momento, enquanto gestor e enquanto cidadão, quero que este negócio não avance.”

“A Impresa sempre foi a favor de uma concorrência que é sã e leal”, sublinhou o gestor, acrescentando que é necessário zelar pelas regras do pluralismo dos media. “Consideramos que há aqui, no debate [da convergência], um risco muito sério de estes dois princípios [concorrência leal e pluralismo] não serem cumpridos”, salientou.

Reiterou, por fim, a ideia que já tinha deixado durante o debate do Estado da Nação dos Media: “Somos contra este tipo de integrações verticais num mercado como o nosso, que é muito pequeno nesta área em particular dos media, que é uma área que é muito sensível.”

Francisco Pedro Balsemão (Impresa) e Gonçalo Reis (presidente da RTP) no debate do Estado da Nação dos MediaPaula Nunes / ECO

Rosa Cullell mantém intenção de ficar à frente da Media Capital

Também à margem do congresso, Rosa Cullell, antiga jornalista e, agora, presidente executiva da Media Capital, reiterou, em resposta ao ECO, a intenção de se manter na liderança da dona da TVI — isto, independentemente do desfecho do negócio com a Altice. “Eu já comentei que quero ficar. Quero ficar na Media Capital, quero ficar em Lisboa e em Portugal”, disse.

“Estou tranquila, calma, tenho de conseguir manter a liderança [da Media Capital no setor] e conseguir pôr um futuro na minha empresa. É isso que a mim me está a preocupar: pôr bons conteúdos no ar e conseguir mais e mais espetadores em todo o lado, em qualquer uma das plataformas”, acrescentou Rosa Cullell.

Sobre a possibilidade de o negócio não passar no crivo dos reguladores, sobretudo depois do parecer negativo (não vinculativo) da Anacom, Rosa Cullell disse: “Existe essa possibilidade: pode ser vetado e pode não ser.” E desvalorizou o parecer da Anacom: “Não é vinculativo. Está a pedir compromissos, está a pedir garantias. A Altice é que tem de responder, não sou eu.”

Rosa Cullell mantém as intenções de ficar à frente da Media CapitalPaula Nunes / ECO

Gonçalo Reis reconhece “impacto” do negócio no setor

Por sua vez, o presidente da RTP, Gonçalo Reis, reconheceu que o negócio terá “impacto” no setor, mas preferiu não clarificar se vai ser um impacto positivo ou negativo.

“Acompanhamos os equilíbrios acionistas dos operadores privados. Têm impacto no setor. Mas, para tratar desse tema, existem os reguladores. Existem entidades que têm de assegurar” o cumprimento da regras, defendeu.

“O nosso grande foco está na RTP, em prestar um grande serviço público. A nossa agenda é essa. A nossa obsessão é fazer bom serviço público, todos os dias e levá-lo ao maior número de pessoas possível”, acrescentou. E, sem entrar em mais detalhes, concluiu: “Qualquer alteração tem sempre impactos.”

(Noticia atualizada às 20h43 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Balsemão sobre TVI/Altice: “Quero que este negócio não avance”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião