Televisão da Meo mais cara. E a culpa é do futebol

A partilha dos direitos televisivos da primeira liga de futebol vai ser suportada pelos clientes. O custo do acordo assinado no verão levará a aumento dos preços, anunciou a Altice, dona da Meo.

O custo do acordo de partilha de direitos desportivos, assinado este verão pela Meo, Nos, Vodafone e Cabovisão (agora, Nowo), deverá ser suportado pelos consumidores e já no quarto trimestre deste ano. A informação foi avançada pelo diretor financeiro da Altice, Dennis Okhuijsen, durante a conferência telefónica com analistas após a apresentação de resultados.

Segundo o administrador da Altice, os custos operacionais relacionados com o acordo ainda não se refletiram nos resultados do terceiro trimestre, mas isso vai acontecer “daqui para a frente”: “A partir do quarto trimestre, vamos passar esse custo para o cliente para refletir o elevado custo do conteúdo e o serviço significativamente melhorado”, sublinhou Dennis Okhuijsen.

Ainda assim, explicou, não deverá haver um impacto significativo na estabilidade das contas do grupo, tendo em conta que a Altice prevê que as operadoras concorrentes “façam o mesmo”. Antes, Dennis Okhuijsen tinha classificado o acordo de “excelente”, pois “significa que todos os consumidores portugueses poderão aceder aos principais conteúdos desportivos, enquanto a concorrência permanece vibrante”.

A partilha de direitos televisivos diz respeito às transmissões dos jogos de futebol da primeira liga e o acordo foi assinado pelas quatro operadoras a 26 de julho deste ano. Por exemplo, na prática, os clientes da Meo continuaram a ter acesso à Benfica TV, ao mesmo tempo que os da Nos voltaram a poder ver o Porto Canal. Isto aconteceu depois de um baço de ferro em que a Meo retirou o canal azul e branco da grelha da Nos, com esta última a ameaçar remover a Benfica TV e a Sporting TV do serviço da Meo.

Esta quinta-feira, a Altice apresentou receitas consolidadas de 577,6 milhões de euros com a Meo no terceiro trimestre, uma descida de 0,7% em relação aos mesmos três meses de 2015. A quebra nas receitas é justificada com impactos regulatórios pelo grupo francês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Televisão da Meo mais cara. E a culpa é do futebol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião