Dívida soberana a ferro e fogo

Depois de alguma acalmia, os mercados de dívida voltaram a estar sob tensão. As taxas subiram nos países do euro, mas as bolsas escaparam ao stress. Foi um dia de ganhos nas ações.

Depois de alguma acalmia, os mercados de dívida voltaram a estar a ferro e fogo. As taxas da dívida soberana dos países do euro aceleraram, com os países da periferia a voltarem a estar no centro das atenções. Itália, Espanha e Portugal foram fortemente castigados. E as bolsas? Foi um dia tranquilo.

 

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Dívida soberana a ferro e fogo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião