CGD: trabalhadores pedem à administração para entregar declarações ao TC

  • Lusa
  • 18 Novembro 2016

Trabalhadores da CGD consideram que os administradores têm de entregar as declarações de rendimento e património no TC e pedem para que a recapitalização do banco público não seja adiada por isso.

Os trabalhadores da CGD consideram que os administradores têm de entregar as declarações de rendimento e património no Tribunal Constitucional (TC), mas pedem que não sejam polémicas à margem a adiar a recapitalização que precisa de ser feita “sem demora”.

Em comunicado enviado à comunicação social, a Comissão de Trabalhadores considera que é “essencial e deve ser implementada sem demora” a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) que dizem ser “fundamental para o crescimento económico do país”.

Para os trabalhadores da CGD, que tem sido motivo de muitas notícias nas últimas semanas, é importante que se ponha “fim a polémicas espúrias e acessórias que se substituem ao que é verdadeiramente importante”.

Especificamente quanto à polémica relacionada com a não entrega no Tribunal Constitucional das declarações de rendimento e património pelos novos administradores do banco público, desde logo o presidente, António Domingues, a Comissão de Trabalhadores diz que estes responsáveis devem “assumir essas responsabilidades e o seu compromisso com a causa pública, com integral cumprimento das exigências da lei”, considerando uma vez mais que não pode haver assuntos à margem que levem ao bloqueio do processo de recapitalização.

No comunicado à imprensa em que os trabalhadores voltam a considerar importante que a CGD se mantenha inteiramente pública, criticam ainda a recente intervenção de Pedro Ferraz da Costa que, em entrevista ao DN e à TSF, criticou os ordenados dos trabalhadores da CGD e disse que os trabalhadores eram os beneficiários da recapitalização.

Para a CT, estas declarações inserem-se numa “plataforma de detratores da CGD e dos seus trabalhadores, que visa dificultar ou impedir a intervenção de meios e capital na CGD, criando impasse para o desenvolvimento do plano de recapitalização e reestruturação”.

A Comissão de Trabalhadores termina a informação à imprensa a referir que, desde março, continua à espera de resposta aos pedidos de reunião que fez ao primeiro-ministro, António Costa.

O plano de recapitalização da CGD implica um aumento de capital em dinheiro de 2.700 milhões de euros, acompanhado por uma emissão de obrigações subordinadas no montante de cerca de 1.000 milhões de euros.

Será ainda feita a transferência das ações da ParCaixa para a CGD, o que implica um aumento do capital no valor de 500 milhões de euros, e a conversão em ações de 960 milhões de euros de instrumentos de capital contingentes subscritos pelo Estado (CoCo’s). No total, a capitalização da CGD é estimada em 5.160 milhões de euros.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou hoje no Parlamento que a injeção pública de capital na Caixa Geral de Depósitos (CGD) só vai ocorrer em 2017, ao contrário do que estava previsto, que era fazê-la ainda este ano.

A par da recapitalização, o banco público está também a ser alvo de um processo de reestruturação, que deverá levar à saída de cerca de 2.500 trabalhadores entre 2017 e 2020, através de reformas e saídas por acordo.

No final de 2015, a CGD tinha 8.410 trabalhadores em Portugal, menos 448 do que em 2014, os quais saíram sobretudo ao abrigo do programa de reformas antecipadas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: trabalhadores pedem à administração para entregar declarações ao TC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião