OE2017: Teodora Cardoso admite que parte da recapitalização da CGD possa ir ao défice

  • Lusa
  • 17 Novembro 2016

Teodora Cardoso admite que a parte da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) relativa a prejuízos passados, que ainda não foram contabilizados no défice orçamental, terá de ser incluída.

A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP) admitiu esta quinta-feira que a parte da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) relativa a prejuízos passados, que ainda não foram contabilizados no défice orçamental, terá de ser incluída nesse apuramento.

“A regra do Eurostat não diz respeito à recapitalização da Caixa diretamente, mas diz respeito ao facto de a parte da necessidade de recapitalização que resulta de prejuízos passados e que ainda não foi compensada por aumentos de capital – que esses já foram ao défice – terá de ir ao défice“, explicou Teodora Cardoso aos deputados da Assembleia da República, onde está hoje a ser ouvida, no âmbito da apreciação na especialidade da proposta orçamental para o próximo ano.

Se vamos descobrir novos prejuízos acumulados no passado que justificam e que tornam necessária a recapitalização e que ainda não foram ao défice, a regra será a de o serem.

“Se vamos descobrir novos prejuízos acumulados no passado que justificam e que tornam necessária a recapitalização e que ainda não foram ao défice, a regra será a de o serem”, afirmou ainda a presidente do CFP.

Ou seja, de acordo com Teodora Cardoso, trata-se de “calcular esses prejuízos, se eles existem, compensar a parte que já foi levada ao défice e, se houver um remanescente, esse – em princípio e de acordo com as regras – será levado ao défice”.

A presidente do CFP respondia a uma pergunta feita pela deputada do CDS-PP Cecília Meireles sobre se a recapitalização do banco público deverá ou não ser incluída no apuramento do défice orçamental ou não, recordando o exemplo do Banif.

“Ouvimos a garantia de que esta recapitalização [da CGD] não seria levada em conta para efeitos do défice, mas lembro-me de o ministro das Finanças dizer que o Banif não contava e depois nos papéis da Europa lá estava o Banif considerado nas contas do défice“, referiu.

Falta conhecer mandato do Grupo de Trabalho

A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP) defendeu ainda que a criação de um grupo de trabalho para rever a despesa pública é “um primeiro passo importante”, mas disse que é preciso que seja conhecido o seu mandato.

Numa resposta à bancada social-democrata, que “a questão da priorização da despesa é de facto essencial” e reconheceu que “foi criado um grupo de trabalho, o que já um primeiro passo importante”.

“Mas não sabemos qual é o mandato desse grupo de trabalho e era importante que houvesse um mandato, não apenas para saber que se vão cortar ‘x’ milhões aqui ou ali, mas para os decisores conhecerem exatamente qual é a orientação da despesa e como vão ter de se gerir no futuro”, defendeu a presidente do CFP.

Para Teodora Cardoso, esta é uma questão que está muito relacionada com o enquadramento de médio prazo da política económica, que por várias vezes ao longo da audição disse ser necessário.

“É necessário haver um horizonte temporal para isto [o exercício de revisão da despesa pública], porque medidas destas não são normalmente pontuais e têm de ser executadas ao longo do tempo. Espero que haja notícias positivas em relativamente curto prazo”, acrescentou.

Referindo que “há muita literatura internacional” que demonstra que a consolidação orçamental feita pela despesa “é mais estável, mais duradoura e benévola para o crescimento” do que a consolidação feita pela receita, a presidente do CFP afirmou que “num ano não haveria grande problema em isto acontecer, mas o problema é que isto acontece sucessivamente em Portugal há muito tempo”.

Em 10 de novembro, o Governo formalizou, através de um despacho publicado em Diário da República, a criação de um grupo de trabalho com o objetivo de “melhorar a qualidade da despesa pública”.

De acordo com despacho, este grupo de trabalho será coordenado por Miguel Castro Coelho e contará com mais dez elementos, que não receberão “qualquer remuneração ou compensação”.

O grupo de trabalho vai funcionar “na dependência direta do ministro das Finanças”, que tem a função de “identificar e disseminar boas práticas de gestão de recursos” no sentido de promover a “geração de poupanças e a melhoria do desempenho dos serviços públicos”.

No texto do despacho, que produz efeitos retroativamente a 31 de março de 2016, o Governo refere que “a consolidação orçamental exige melhorias na gestão dos recursos das administrações públicas, conceito adverso à lógica de cortes cegos” e acrescenta que “as decisões devem ser tomadas com critérios de custo e benefício, identificando e corrigindo as raízes estruturais da ineficiência na despesa pública”.

Na proposta de OE2017, o Governo incluiu uma medida a que chamou “exercício de revisão da despesa”, que deverá permitir poupanças de 75 milhões de euros.

Artigo atualizado às 15:16

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE2017: Teodora Cardoso admite que parte da recapitalização da CGD possa ir ao défice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião