CFP revê crescimento económico para 1%

Teodora Cardoso garante que o valor é "muito insuficiente para os objetivos da política económica em Portugal".

O Comissão de Finanças Públicas (CFP) fez uma revisão ao crescimento do PIB para 1%, face aos 1,7% da previsão em março deste ano e dos 1,8% previstos pelo Ministro das Finanças Mário Centeno. Esta previsão foi revelada esta manhã numa conferência de imprensa do Conselho de Finanças Públicas, liderada por Teodora Cardoso, onde foi divulgada a atualização do relatório “Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2016-2020”.

A presidente do CFP e economista Teodora Cardoso afirmou que este valor é “muito insuficiente para os objetivos da política económica em Portugal”. Tanto o crescimento do PIB real quer do PIB nominal é “muito limitado”, classifica. A correção da previsão colocou o PIB nominal nos 2,5% face aos 3,9% de março deste ano.

As previsões do CFP agravaram-se na sua generalidade. A maior queda verifica-se na Formação Bruta de Capital Fixo, ou seja, do investimento, que foi revisto para -0,3% face aos 4,9% em março.

Teodora Cardoso vinca ainda que o efeito do saldo orçamental de bens, tal como indicam os números do INE, tem um efeito “ligeiramente positivo”, mas este só foi possível por uma diminuição maior das importações face à diminuição das exportações.

O relatório do CFP afirma confirmar-se a “fraqueza” da procura externa e da procura interna, com o consumo privado a ter “crescimento claramente inferior ao que poderia esperar-se como resultado do aumento do rendimento disponível”.

Quanto ao futuro, o CFP prevê um crescimento de 1,3% para 2017, 1,5% para 2018, 1,5% para 2019. O primeiro número é o mais importante, uma vez que esta previsão antecede a apresentação do Orçamento de Estado para 2017, exatamente daqui a um mês.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CFP revê crescimento económico para 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião