Teodora Cardoso apela a mais empenho ao olhar para o longo prazo

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2018

Teodora Cardoso alerta que, antes de mais, é necessário que haja vontade em reconhecer o problema demográfico, e "não interessa de quem foi a culpa", diagnosticá-lo e procurar soluções.

A presidente do Conselho de Finanças Públicas manifestou-se esta terça-feira preocupada com o problema demográfico e de produtividade que afeta Portugal, apelando aos governantes o mesmo empenho para olhar para o longo prazo do que para o curto prazo.

“No futuro próximo, uma vez atingido o pleno emprego, esgotando o efeito cíclico da retoma, o crescimento da economia terá de assentar em dois fatores: o aumento da população ativa e/ou o crescimento da produtividade. Em ambos os casos o panorama com que nos defrontamos é preocupante e muito exigente”, disse a economista hoje no Parlamento.

No futuro próximo, uma vez atingido o pleno emprego, esgotando o efeito cíclico da retoma, o crescimento da economia terá de assentar em dois fatores: o aumento da população ativa e/ou o crescimento da produtividade. Em ambos os casos o panorama com que nos defrontamos é preocupante e muito exigente.

Teodora Cardoso

Teodora Cardoso foi hoje ouvida no grupo de trabalho no âmbito da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, relativamente à avaliação do endividamento público e externo.

“O problema demográfico e da produtividade não se resolvem espontaneamente, tem que haver políticas”, insistiu a responsável aos deputados, referindo que não há em Portugal nenhuma investigação nesta área e que os modelos de outros países não poderão ser simplesmente replicados. “É preciso muito mais trabalho estrutural”, sublinhou.

É necessário, de acordo com a economista, antes de mais, vontade em reconhecer o problema, e “não interessa de quem foi a culpa”, diagnosticá-lo e procurar soluções. “Os problemas não são insolúveis e já mostrámos que somos capazes de resolver os problemas e o nosso problema é mais o médio longo prazo e não o simples curto prazo”, disse a economista, destacando, pela positiva, o facto de a retoma não ter sido acompanhada do agravamento do défice externo, “tendo antes assentado em grande parte no comportamento favorável das exportações”.

“É necessário agora desviar para os problemas de fundo o esforço e a determinação habitualmente aplicados na solução das crises de curto prazo”, acrescentou.

Segundo Teodora Cardoso, além da queda da população em idade ativa, o problema demográfico português resulta do decréscimo da percentagem de indivíduos entre os 0 e os 14 anos (de 27% para 14% da população total entre 1976 e 2015) e no aumento do peso da população com idade igual ou superior a 65 anos para quase o dobro (de 10,5% para 20,5% no mesmo período).

A retoma cíclica não está ainda concluída e havendo ainda espaço para o aumento adicional do emprego, ao mesmo tempo que a conjuntura internacional favorável deverá manter-se, impõe-se “dar prioridade à inversão daquelas tendências porque dela depende a capacidade de atingir objetivos mesmo modestos de crescimento económico”.

Como a experiência passada demonstra, sinalizou, o aumento das despesas públicas não resolve estes problemas. “No curto prazo facilita a retoma cíclica, mas desvia o investimento privado para atividades que não promovem a produtividade, ao mesmo tempo que ignora a demografia. Esta, por seu lado, exerce uma pressão crescente sobre as despesas públicas, que se repercute no saldo primário se nada for feito do lado da produtividade”, avisou.

O presidente do Conselho Económico e Social (CES), António Correia de Campos, igualmente ouvido na sessão referiu também a necessidade de uma “visão estratégica” para resolver o problema da dívida portuguesa. “Precisamos de saber muito mais sobre a produtividade e sobre as produtividades setoriais, olhando transversalmente para a questão”, exemplificou o ex-ministro da Saúde.

Para Correia de Campos, cuidar do futuro é cuidar do clima, da demografia, do acolhimento dos imigrantes, entre outros, questões que só serão resolvidas com mais estudos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teodora Cardoso apela a mais empenho ao olhar para o longo prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião