Jacqueline Legrand sucede a Dias da Fonseca na Brokerslink

O CEO da MDS, braço segurador da Sonae, passa o testemunho à frente da Brokerslink, empresa global de corretagem. A nova CEO é Jacqueline Legrand, que já estava na empresa.

José Manuel Dias da Fonseca, fundador da Brokerslink e CEO do grupo MDS, empresa do universo Sonae, passa o testemunho à frente da corretora de seguros a Jacqueline Legrand.

A nova CEO da Brokerslink é uma escolha pessoal de Dias da Fonseca, que ocupava o cargo desde 2004. Legrand é membro do conselho de administração da MDS, sendo responsável pelo desenvolvimento de negócio e operações em Portugal e no Brasil. Legrand já fazia parte da equipa da Brokerslink, onde recentemente ocupava o cargo de diretora regional para a Europa.

Em comunicado, a nova CEO da empresa global de corretagem de seguros afirma: “é para mim uma honra liderar a Brokerslink. Tem sido um prazer trabalhar ao longo destes anos com José Manuel Fonseca, ajudando a consolidar a posição da Brokerslink como uma empresa global de corretagem, dinâmica e inovadora”.

Quanto a José Manuel Dias da Fonseca, irá manter-se como membro do conselho de administração, como representante do grupo MDS, um dos principais acionistas da corretora e irá passar a focar-se no desenvolvimento da MDS nas várias geografias em que opera.

“Apesar de ter decidido assumir uma função não-executiva na Brokerslink, continuo empenhado no seu desenvolvimento futuro, enquanto membro do Board e acionista de referência. Foi um privilégio ter desempenhado a função de CEO da Brokerslink, liderando a transformação de uma rede de corretores numa empresa global de corretagem. Estou certo que Jacqueline Legrand será uma líder excecional e não tenho dúvidas que a Brokerslink continuará o seu processo de desenvolvimento e consolidação.”

Dias da Fonseca foi ainda reconhecido formalmente como “founder and board member”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jacqueline Legrand sucede a Dias da Fonseca na Brokerslink

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião