Energias renováveis: UE pode poupar 49 mil milhões em 2030

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2018

O mercado global das baterias elétricas representará 250 mil milhões de euros em 2025, e a UE precisará de se dotar de 10 "gigafábricas" daquela tecnologia para ser competitiva a nível mundial.

A União Europeia (UE) pode poupar 49.000 milhões de euros em 2030 se substituir as importações de petróleo para o transporte por energias renováveis domésticas, mas essa transição requererá mudanças tecnológicas profundas, foi hoje anunciado.

Segundo um estudo publicado hoje pela Fundação Europeia para o Clima, “a transição para a mobilidade limpa não pode ter êxito sem mudanças profundas nas tecnologias utilizadas para impulsionar os veículos”.

O estudo, no qual também participaram a empresa Cambridge Econometrics e fabricantes de automóveis como a Renault-Nissan ou a BMW, entre outros, recorda que a UE importa, atualmente, 89% dos hidrocarbonetos e que estes são utilizados maioritariamente para o setor dos transportes. O setor dos transportes é responsável por cerca de 27% do CO2 emitido na UE e é o principal gerador de contaminação do ar, que se calcula que provoca mais de 400.000 mortes prematuras por ano no conjunto da UE, recorda o estudo.

Além de limitar as emissões poluentes e contribuir para cumprir os objetivos ambientais do Acordo de Paris, a transição para transportes baixos em carbono poderia gerar 206.000 postos de trabalho líquidos em 2030, segundo o estudo.

Contudo, os analistas sublinham que aquele dado não deveria “mascarar” que se necessitam “esforços” para adaptar os trabalhadores do setor às tecnologias do futuro para que possam manter “empregos de qualidade”. “A partir de 2030, as mudanças estruturais serão muito profundas e incertas”, adianta o estudo, que refere ainda que as futuras fábricas de produção de baterias elétricas na UE terão um “impacto económico significativo”.

Na semana passada, o vice-presidente da Comissão Europeia para a União da Energia, Maros Sefcovic, sublinhou que o mercado global das baterias elétricas representará 250.000 milhões de euros em 2025 e estimou que a UE precisa de se dotar de 10 grandes “gigafábricas” daquela tecnologia para ser competitiva a nível global.

O estudo adianta que a revolução ecológica dos transportes rodoviários também vai precisar de um investimento de cerca de 23.000 milhões de euros acumulados em infraestruturas de carregamento, incluindo 9.000 milhões de euros para carregadores de acesso público. Segundo o cenário central analisado no estudo, se um de cada quatro veículos vendidos na UE em 2030 não emitir gases com efeito estufa, outros 25% forem completamente híbridos e a metade dos restantes forem semi-híbridos, o transporte europeu reduziria em 88% as suas emissões de CO2 no horizonte de 2050.

“Na perspetiva dos condutores, o custo total dos veículos com zero emissões (VCE ou ZEV, nas siglas em inglês) é provável que convirja com o dos híbridos e o dos motores de combustão tradicional na próxima década, especialmente se os governos estimularem esta convergência através de políticas inteligentes”, adianta o estudo.

O diretor de Transporte da Fundação Europeia para o Clima, Pete Harrison, comentou a propósito do estudo que há consenso de que “a indústria europeia deve de manter-se na vanguarda da inovação em tecnologia limpa para continuar a ser competitiva num mercado de rápida evolução”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energias renováveis: UE pode poupar 49 mil milhões em 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião