CTT desmentem encerramento de mais 14 lojas

Fonte oficial dos Correios desmente sindicato em relação ao encerramento de mais 14 lojas. Lembra que plano abrange 22 pontos de acesso. Ainda assim, há duas estações que encerraram além do previsto.

Os CTT desmentem os planos para encerrar mais 14 lojas, contrariando uma informação avançada pelos sindicatos, e lembram que o processo de ajustamento da rede de lojas abrange os 22 pontos de acesso, tal como o ECO tinha anunciado em janeiro. Mas há pelo menos mais duas estações que já foram encerradas, além daquelas que estavam previstas inicialmente: Santa Cruz (Coimbra) e Almodôvar, onde a loja deu lugar a um posto gerido por privados.

Segundo o sindicato, em causa estariam o encerramento das lojas na Ajuda (Lisboa), Agualva-Cacém, Queluz, Venda Nova, Queijas, Bobadela, São João da Talha, Castanheira do Ribatejo, Forte da Casa, Alhandra, Santa Cruz, Aguiar da Beira e Sátão.

“Os CTT confirmam não estarem em questão planos de ajustamento, sejam eles de transferência de serviços ou de encerramento de instalações, para nenhum dos seguintes pontos de acesso enumerados pelo referido sindicato”, responde fonte oficial dos CTT.

O ECO tentou contactar as autoridades locais sobre a existência de negociações com os CTT. Apenas recebeu resposta da Câmara Municipal de Sátão e da Junta de Forte da Casa, em Vila Franca de Xira, onde os responsáveis informaram desconhecer qualquer intenção ou conversa com os CTT para o fecho das lojas.

Apesar de a empresa lembrar que “o plano abrange 22 pontos de acesso, como tem sido amplamente noticiado“, confirma ao mesmo tempo o encerramento de mais duas lojas que não estavam contempladas inicialmente: é o caso da loja de Santa Cruz, em Coimbra, onde “a transferência de serviços era já conhecida publicamente há semanas e foi consequência de fatores externos aos CTT, nomeadamente a não renovação do arrendamento do espaço”, explica a mesma fonte; e também em Almodôvar, conforme avançou o ECO esta quarta-feira, onde a loja localizada na Rua do Convento encerrou na sexta-feira para dar lugar a um posto gerido por um particular e “sem qualquer descontinuidade de serviço”.

Fonte da empresa adianta que a loja de Xabregas, em Lisboa, poderá evoluir também para “uma nova parceria” que permita manter a presença dos CTT.

O fecho de estações faz parte de um plano de reestruturação mais abrangente, anunciado no final do ano passado, para travar a deterioração do negócio do correio postal. Em 2017, os lucros terão afundado 27% para 46,17 milhões de euros, de acordo com estimativas dos analistas.

O plano foi anunciado em dezembro e inclui a saída da empresa estão 800 trabalhadores até 2020. A administração também vai cortar salários e prémios aos gestores. Em relação ao dividendo, foi reduzido em 20% dos 48 cêntimos por ação para os 38 cêntimos, com os CTT a remunerarem os seus acionistas em 57 milhões de euros — o que corresponde a um payout expectável de 123%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT desmentem encerramento de mais 14 lojas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião