CTT substituem 19 de 22 lojas por pontos de acesso

Os correios vão substituir 19 das 22 lojas que vão fechar em pontos de acesso nas proximidades. Empresa entende que "limita assim a três" a redução dos pontos de acesso.

Francisco de Lacerda, presidente executivo dos CTT.INÁCIO ROSA/LUSA 12 Março, 2014

Os CTT anunciaram que vão assegurar 19 novos postos de correio na rede de atendimento, depois de anunciarem o fecho de 22 balcões em sítios onde exista uma alternativa nas proximidades. A medida, diz a empresa, “limita a três a redução dos pontos de acesso” considerando o fecho anunciado no início do ano das mais de duas dezenas de lojas.

A abertura dos novos postos de correio é um trabalho que está a ser desenvolvido pela companhia em conjunto com “as autoridades e particulares nos diversos locais”. Quando o ECO avançou em exclusivo com a intenção do fecho de 22 balcões até ao fim do trimestre, os CTT ficaram debaixo de fogo, com autarcas e populações a contestarem a decisão. Em causa, receios de que a empresa possa comprometer o fator da proximidade que é contemplado no contrato público de concessão do serviço postal universal.

“Os CTT têm estado a trabalhar com as autoridades e particulares nos diversos locais, tendo já aberto ou assegurado a abertura de 13 novos estabelecimentos postais (postos de correios) nas envolventes das 22 lojas cujo encerramento foi anunciado, encontrando-se ainda em negociação seis [postos] adicionais”, afirma a empresa num comunicado enviado esta segunda-feira às redações — dia em que a administração liderada por Francisco de Lacerda se reuniu com autarcas sobre este mesmo assunto.

Os postos de correio não são iguais às lojas que os CTT pretendem fechar. Enquanto a loja é um estabelecimento dedicado exclusivamente à empresa, um posto é como um ponto de acesso que se poderá localizar, por exemplo, numa papelaria. A própria empresa faz a distinção entre os dois conceitos: “A rede de atendimento dos CTT é atualmente composta por um número total de 2.366 estabelecimentos postais (pontos de acesso), correspondentes a 598 lojas e a 1.768 postos de correio”, lê-se na mesma nota.

Aliás, esta segunda-feira, a agência Lusa, a título de exemplo, deu conta de que uma estação de correios que vai ser encerrada em Paços de Brandão (Santa Maria da Feira) vai ser substituída por um balcão de atendimento numa loja de materiais de construção nas proximidades. Segundo a empresa, 49 estabelecimentos foram abertos nos últimos quatro anos.

Não é claro porque é que a empresa está a fechar as lojas para abrir pontos de acesso em localizações próximas das originais, mas o corte nas despesas é uma forte hipótese. Apesar de já ter garantido que não vai despedir trabalhadores em funções nas lojas a encerrar, a empresa tem em curso um plano de reestruturação que prevê a saída de 1.000 pessoas até 2020, a maioria pessoas já perto da idade da reforma. Em causa, a diminuição do volume do correio causada pela digitalização das comunicações.

Por fim, a empresa sublinha ainda que assegura “a prestação dos serviços postais às populações, com proximidade e qualidade especificada e mantendo sempre os direitos e continuando sujeitos às obrigações” do contrato público em vigor com o Estado português.

Como noticiou o ECO, os CTT já tinham indicado que pretendiam avançar com a instalação de 14 novos pontos de acesso em localidades que irão ficar sem loja dos CTT. Também não fica claro se estes 19 postos se somam aos 14 já anunciados, ou se se trata apenas da garantia de cinco postos adicionais aos que estavam a ser negociados a 17 de janeiro. O ECO está a tentar esclarecer alguns pontos junto da empresa, mas não tinha recebido resposta à hora de publicação deste artigo.

A justificação dada pela empresa no comunicado esta segunda-feira também é vaga neste aspeto. A empresa de Francisco de Lacerda indica apenas que “a cada momento, tendo sempre presente critérios de proximidade, analisa as oportunidades de proceder a alterações na sua rede de atendimento, promovendo formas alternativas de atender às legítimas necessidades das populações e dos seus clientes, com o objetivo de proporcionar sempre uma melhor qualidade global nos serviços que presta às populações”.

Situação vai ser discutida caso a caso

À saída da reunião com a administração dos CTT, os autarcas frisaram uma vez mais o seu descontentamento. “São razões economicistas”, defendeu Bernardino Soares, presidente da câmara de Loures. “Há municípios que deixam de ter uma estação de correios de todo”, garantiu, em declarações aos jornalistas, transmitidas pela RTP3.

“O serviço público não esta a ser bem prestado”, somou o autarca do Seixal, antecipando que a administração “não vai ficar por aqui” na lista de encerramentos. Joaquim Santos adiantou que ficaram planeadas “reuniões específicas para tratar cada caso”, mas notou que “o problema do Seixal é o mesmo de Loures, Odivelas ou Alpiarça”.

(Notícia atualizada às 12h32)

 

 

Comentários ({{ total }})

CTT substituem 19 de 22 lojas por pontos de acesso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião