CTT avançam com 14 postos de acesso onde fecham balcões

  • Lusa
  • 17 Janeiro 2018

Os Correios vão avançar com a criação de 14 postos de acesso em localidades onde querem fechar as estações do correio. Postos estão a ser negociados com autarcas.

Os CTT CTT 0,40% pretendem avançar com 14 novos pontos de acesso em localidades onde irão encerrar instalações, cuja abertura ainda está a ser negociada com autarquias e entidades comerciais, informou a empresa esta quarta-feira.

O anúncio surge numa altura em que os CTT anunciaram o encerramento de 22 lojas, com impacto em 53 postos de trabalho, no âmbito do plano de reestruturação, o que tem motivado os protestos das comunidades e dos trabalhadores, que entregaram no Parlamento uma petição contra o fecho dessas instalações. Com a abertura de novos 14 postos de acesso, os CTT “garantem que em todas as localizações” das 22 lojas que serão encerradas “a população mantém acesso ao atendimento dos CTT a um quilómetro ou menos da anterior localização”.

Depois da conclusão desta operação, os CTT afirmam que haverá “uma redução máxima de oito pontos de acesso, resultado do encerramento/transformação de 22 lojas próprias e da abertura de 14 novos postos de correio”. Nos 14 novos pontos de acesso — que estão já acordados ou em negociação final com autarquias e entidades comerciais locais — vão manter-se “disponíveis ao público a totalidade dos serviços postais, incluindo o pagamento de vales de prestações sociais e o envio e levantamento de encomendas”.

A localização destes 14 novos pontos de acesso — dos quais já se conhece, por exemplo, os de Termas de São Vicente (Penafiel), Arco da Calheta (Madeira) e Lavradio (Barreiro) — serão dados a conhecer à medida que os passos necessários para a sua abertura estejam concluídos. “Este ajustamento da rede de Pontos de Acesso dos CTT em nada afeta a distribuição postal, realizada pelos carteiros dos CTT, que são uma rede totalmente autónoma da rede de atendimento”, sublinha a empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT avançam com 14 postos de acesso onde fecham balcões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião