Fisco: Alargar dispensa de garantia bancária é seguro

  • Lusa
  • 21 Novembro 2016

Helena Maria José Alves Borges, diretora-geral da Autoridade Tributária disse esta segunda-feira que é seguro dispensar de garantias bancárias contribuintes com dívidas de pequeno valor.

A diretora-geral da Autoridade Tributária (AT) considerou hoje “uma boa experiência” dispensar de garantias bancárias contribuintes com dívidas de pequeno valor, explicando ser seguro alargar essa dispensa, tal como está previsto na proposta de Orçamento do Estado para 2017.

“Existe a segurança de que alargar os limites máximos não vai prejudicar os níveis de cobrança [de impostos] que temos de alcançar”, afirmou Helena Alves Borges, perante uma pequena plateia que na Faculdade de Direito de Lisboa assistia a uma conferência de análise à proposta de Orçamento do Estado (OE) para o próximo ano.

Os dados da AT mostram, segundo disse a diretora-geral, que 2016 se revelou uma “experiência que se pode dizer bem sucedida”, porque não afetou os níveis de eficácia na cobrança de receita fiscal.

Em 2016, “quem pagou a prestações sem garantia bancária cumpriu em geral as suas obrigações e sem ter de suportar os custos inerentes a uma garantia bancária”, congratulou-se Helena Alves Borges, salientando que “o foco” é o de reduzir o custo do cumprimento de obrigações por parte dos contribuintes.

A diretora da AT disse ainda que o Fisco sente necessidade de executar apenas 2% ou 3% das garantias bancárias: “Na maioria dos casos, as cobranças honram-se sem necessidade de garantia”.

Na proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano está previsto que os contribuintes com dívidas ao Fisco e que aleguem a defesa, quando tribunal decidir que o contribuinte tem razão, podem prescindir das garantias bancárias.

Até agora estavam dispensadas de prestação de garantia as dívidas fiscais inferiores a 2.500 euros para pessoas singulares, e cinco mil para pessoas coletivas.

Na proposta de OE para 2017, estes valores duplicam e passam para cinco mil euros no caso de pessoas singulares, e 10 mil para pessoas coletivas.

Atualmente, os custos de garantias bancárias podem prolongar-se por muitos anos enquanto a ação judicial decorre.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco: Alargar dispensa de garantia bancária é seguro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião