Bancos portugueses estão atrasados na transformação digital, diz Faria de Oliveira

  • Lusa
  • 22 Novembro 2016

Presidente da Associação Portuguesa de Bancos considerou hoje que os bancos portugueses estão atrasados na adaptação à nova era digital e que o setor tem de acelerar esse processo.

“Começamos a ficar um bocadinho atrasados neste domínio”, disse hoje Faria de Oliveira no debate O Futuro da Banca no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), em Lisboa.

Para o responsável máximo da associação que representa os principais bancos que operam em Portugal, as instituições têm neste momento “tantas preocupações”, nomeadamente as crescentes exigências dos reguladores, reforçar capital e melhorar rentabilidade que estão a deixar para trás a necessidade de adaptarem os seus processos à transformação digital que está em curso.

As parcerias entre os bancos e as ‘fintech’ (empresas tecnológica de serviços financeiros), para que possam usufruir do conhecimento que estas produzem, e a melhoraria das ligações entre o setor bancários e as tecnologias da informação é para Fernando Faria de Oliveira fundamental para os bancos na adaptação à nova era digital.

“E esta evolução vai ser extraordinariamente rápida, não vai demorar sequer cinco anos”, afirmou.

A adaptação dos bancos tradicionais ao desafio da era digital foi um tema de várias conferências na ‘Web Summit’, realizada no início do mês em Lisboa, uma vez que se considera que este é dos setores em grande transformação.

Então, o presidente da empresa de pagamentos ‘online’ Currency Cloud disse à Lusa que os grandes bancos têm recebido todos a mesma informação, de que a próxima geração de serviços financeiros será baseada nos ‘social media’, focada no digital, com os consumidores com menos de 30 anos – os nativos digitais – a não quererem ir a agências físicas, comunicando com os bancos através de dispositivos móveis (como telemóvel ou ‘tablet’).

No entanto, avisou, são poucos aqueles que se estão a conseguir adaptar atempadamente, até pelo ‘peso’ das suas estruturas, referindo como ‘bons exemplos’ os espanhóis Santander e BBVA e o britânico Lloyds Bank, considerando que as ‘fintech’ continuarão a ganhar terreno.

O termo inglês ‘fintech’ resulta da junção das palavras ‘financial’ e ‘technology’ e é usado para designar empresas que criam inovações na área de serviços financeiros.

Em geral, estas empresas oferecem produtos simples, intuitivos e automatizam processos, levando o consumidor a não necessitar do banco como intermediário financeiro.

As ‘fintech’ têm poucas barreiras à entrada, facilitando a inovação, e o modelo de negócio tem custos reduzidos, assente em poucos trabalhadores, o que possibilita cobrar preços abaixo dos seus competidores tradicionais.

No caso da empresa de Mike Laven, Currency Cloud, esta cobra cerca de 0,5% nos pagamentos internacionais, enquanto bancos tradicionais podem cobrar entre 2 e 4%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos portugueses estão atrasados na transformação digital, diz Faria de Oliveira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião