Brexit arrasa milionários. Há menos 15%

  • Ana Luísa Alves
  • 22 Novembro 2016

Com a queda da libra para mínimos históricos, o Reino Unido viu cair também o número de milionários. Encolheu em 15%.

Cai a libra, perdem-se milionários. O número de britânicos milionários no Reino Unido caiu 15% depois de a votação para o divórcio da União Europeia ter castigado a libra, que em outubro negociou em mínimos de 31 anos. A conclusão é do banco suíço Credit Suisse.

A riqueza dos agregados familiares encolheu em 10% nos 12 meses terminados em junho como uma “consequência direta” da votação do Brexit, acrescentou o banco suíço num relatório anual citado pela Bloomberg.

O Reino Unido teve um ano tumultuoso, marcado por fortes quedas tanto na taxa de câmbio [a libra afundou] como no mercado acionista, após a votação em junho para deixar a União Europeia“, referiu o banco suíço.

O Brexit acentuou a queda de 15% da moeda do país, levando o mercado de capitais britânico para a maior desvalorização desde a crise financeira de 2008. Enquanto as ações recuperaram desde então, o país enfrenta um período de incerteza económica e política que paira sobre o futuro divórcio da União Europeia.

O Japão, os EUA e a Alemanha são quem tem o maior número de milionários. O Reino Unido surge na quinta posição do ranking do Credit Suisse. Os 14 biliões de libras de riqueza das famílias britânicas estão espalhados por 49 milhões de cidadãos, dos quais cerca de 5% têm um milhão de libras ou mais.

Os países que esperam vir a ter o maior número de milionários, nos próximos cinco anos, são a China, Austrália e Canadá, de acordo com o relatório do banco suíço.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit arrasa milionários. Há menos 15%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião