May informa Comissão Europeia: Brexit continua marcado para março

  • Lusa
  • 4 Novembro 2016

O início das conversações do Brexit mantém-se marcado - a decisão do Tribunal Superior de Justiça de dar poder de voto ao Parlamento não demove Theresa May.

A chefe do Governo britânico vai informar hoje o presidente da Comissão Europeia de que o calendário previsto para o Brexit se mantém apesar da sentença judicial anunciada na quinta-feira, disse à AFP uma fonte de Downing Street.

O contacto telefónico entre Theresa May, chefe do Executivo britânico, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, está agendado para hoje.

A mesma fonte indicou que – apesar do veredicto do Tribunal Superior de Justiça de Londres – Theresa May pretende explicar a Juncker que não prevê alterações aos planos que devem dar início às conversações, marcadas para março de 2017, sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

Na quinta-feira, o Tribunal Superior de Justiça de Londres decidiu que o Parlamento britânico tem de votar sobre o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

“O Tribunal não aceita o argumento avançado pelo Governo” sobre a inutilidade de uma votação parlamentar, anunciaram os três juízes, que analisaram as queixas que argumentavam que, se o Reino Unido aderiu à União Europeia por decisão do Parlamento, só o mesmo Parlamento pode decidir sobre a saída.

Esta decisão judicial poderá adiar o plano do Governo de Theresa May para efetivar a saída do Reino Unido da União Europeia – aprovada em referendo realizado a 23 de junho por 51,9% dos votantes.

De acordo com a fonte de Downing Street, May pretende explicar a Juncker, e depois ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, “em que consiste o processo judicial e prevê reforçar que Londres vai seguir em frente e que vai cumprir o calendário previsto”.

“O tribunal não vai descarrilar” o processo Brexit, disse na quinta-feira uma fonte governamental à agência AFP, afastando a possibilidade da realização de eleições antecipadas em 2017 no Reino Unido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

May informa Comissão Europeia: Brexit continua marcado para março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião