Minutas da Fed apontam para subida de juros em dezembro

Dados do emprego levam alguns dos responsáveis da Fed a verem como quase certo um movimento de subida dos juros nos EUA na próxima reunião da entidade liderada por Janet Yellen.

Os responsáveis da Reserva Federal dos EUA sinalizam que uma subida de juros na maior economia do mundo, em dezembro, é quase certa. As minutas da Fed, hoje conhecidas, indicam que alguns responsáveis do banco central norte-americano acreditam numa subida dos juros na próxima reunião que se realiza a 13 e 14 de dezembro, atendendo à melhoria das condições no mercado de trabalho.

“Alguns participantes notaram que as recentes comunicações do comité eram consistentes com um aumento no intervalo das taxas de juro da Fed, no curto prazo, ou argumentaram que, para preservarem a credibilidade, uma subida dessa natureza deveria ocorrer na próxima reunião”, revelaram os registos do Comité de Operações no Mercado Aberto (FOMC), citados pela Bloomberg. Muitos responsáveis terão dito que uma subida das taxas de juro seria apropriada “relativamente em breve“, sustentada pelos dados económicos.

As incertezas em torno das políticas que Donald Trump vai assumir na presidência dos EUA, não alteraram as previsões que apontavam para um movimento de subida de juros no final de 2016, pela primeira vez no último ano. Os investidores atribuem uma probabilidade de 100% a esse cenário, segundo apontam os contratos de futuros para as taxas de juro.

As minutas de novembro também mostraram que os membros da Fed enfatizaram que as alterações de médio prazo no custos de financiamento de referência estariam dependentes dos dados económicos, demonstrando que a expectativa de que “apenas subidas graduais” estariam garantidas. Elementos do comité notaram que as condições no mercado de trabalho melhoraram “de forma apreciável”.

“Foi referido que permitir que a taxa de desemprego fique ligeiramente aquém do nível normal de mais longo prazo pode alimentar o regresso da inflação para o alvo de 2% do FOMC, a médio prazo”, dizem as minutas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Minutas da Fed apontam para subida de juros em dezembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião