Parlamento aprova novas deduções no IRS com transportes e refeições escolares

  • Lusa
  • 25 Novembro 2016

O Parlamento aprovou esta sexta-feira alterações à proposta de OE2017 que aumentam as deduções em sede de IRS com os gastos com o transporte e as refeições escolares, bem como com os passes sociais.

Todos os grupos parlamentares votaram favoravelmente, com exceção do PSD, que se absteve, uma proposta do Bloco de Esquerda (BE) que visa permitir a dedução à coleta de despesas com refeições escolares e também impedir que a despesa em causa seja duplamente dedutível (como despesa de educação e como dedução por exigência de fatura).

PS, PCP e BE também aprovaram uma proposta do partido ‘Os Verdes’ (PEV), que pretende que seja possível deduzir em sede de Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) a totalidade do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) das despesas com a compra do passe social mensal, por qualquer membro do agregado familiar.

A ideia é que, tal como já previsto para as despesas com alojamento, restauração, reparação automóvel, cabeleireiros e veterinários, os contribuintes possam deduzir, mediante fatura, a totalidade do IVA suportado com esta despesa até um limite total de 250 euros.

O Parlamento também aprovou, apenas com a abstenção do PSD, uma proposta do PCP para incluir as despesas das cantinas escolares e dos transportes de alunos nas deduções à coleta de IRS, “independentemente da entidade que presta o referido serviço e da taxa de IVA aplicada”.

O grupo parlamentar comunista propõe ainda que o ministro das Finanças determine, através de portaria, as condições em que estas despesas de educação são comunicadas à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

Estas alterações vão ser incluídas no OE2017 como “norma transitória” para permitir que a dedução destas despesas seja feita já na liquidação do IRS relativa aos rendimentos de 2016.

Os deputados estão, desde o início da tarde, a votar, na especialidade, a proposta de OE2017 artigo a artigo, bem como as várias propostas de alteração apresentadas pelos partidos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento aprova novas deduções no IRS com transportes e refeições escolares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião