Tem uma PME? A Amazon ajuda-o a exportar

A empresa norte-americana criou um serviço para as empresas portugueses exportarem através da sua plataforma. Chama-se Marketplace e tem como objetivo alcançar os milhões de clientes da Amazon.

Vem aí a Marketplace, uma plataforma para empresas portuguesas que queiram exportar para um cliente em qualquer parte do mundo a partir dos cinco países em que a Amazon atua na Europa: Espanha, Reino Unido, Alemanha, França e Itália. “A partir de Portugal, ganhe acesso a milhões de clientes pela Europa usando uma única conta”, anuncia a empresa no site.

Como benefícios para as PME’s nacionais, a Amazon elenca a “experiência de comércio eletrónico, facilidade de pesquisa de produtos e tecnologias de pagamento da Amazon a trabalhar para o seu negócio”, principalmente proteção contra a fraude.

“Através de uma simples conta unificada, as PME [Pequenas e Médias Empresas] e empreendedores sediados em Portugal poderão listar os seus produtos em qualquer mercado europeu da Amazon e alcançar milhões de novos consumidores. Os empresários podem ainda utilizar a avançada rede de logística europeia da Amazon, através do registo no programa Fulfilment by Amazon (FBA)”, adiantou à agência Lusa fonte oficial da empresa.

A adesão ao FBS permite enviar os seus produtos para um dos 31 centros de logística da empresa em sete países europeus, ficando a entrega das encomendas e a gestão do apoio ao cliente a cargo da Amazon. Neste caso, a comissão média cobrada pela empresa de comércio eletrónico é de 15% sobre o valor final do produto (incluindo os gastos de envio).

Dados mais recentes, relativos ao terceiro trimestre de 2016, apontam que “49% das unidades que a Amazon comercializou em todo o mundo foram vendidas por PME” que utilizam esta plataforma como “um canal incremental de vendas”.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem uma PME? A Amazon ajuda-o a exportar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião