Amazon e a luta contra a contrafação

  • Juliana Nogueira Santos
  • 28 Novembro 2016

A plataforma de vendas online promete dificultar a vida àqueles que vendem produtos falsos com validações de autenticidade e instauração de processos.

A Amazon quer começar esta quadra festiva da melhor maneira — tanto para si como para os seus clientes — e anunciou uma guerra aberta contra os produtos contrafeitos. A venda destes tem ocorrido na Amazon Marketplace, uma versão da plataforma online que permite a terceiros ter os seus produtos junto àqueles que são comercializados oficialmente.

Este problema não é novo, mas a empresa americana nunca foi capaz de lidar diretamente com o assunto. O aumento da ocorrência destes casos, bem como da sua dimensão mediática — com a Apple a afirmar que 90% dos carregadores “originais” vendidos no site são tudo menos originais — levou a uma tomada de posição. “A Amazon tem tolerância zero em relação à venda de produtos contrafeitos no seu site”, declarou a empresa.

Entre as medidas a tomar estará a criação de uma base de dados na qual as marcas oficiais terão de se registar e, sempre que surgir um novo produto à venda que diga ser dessa marca, esse tem de ser aprovado pela marca para validar a sua autenticidade. O ataque direto aos copiadores também será mais forte: a empresa não se coibirá de processar alegados copiadores, uma determinação provada pelo avanço de três processos só este mês.

A origem desta súbita consciência do problema será a dificuldade que a empresa estará a ter em assinar contratos com novas marcas por esta não ser capaz de controlar as vendas de material não original — a lista incluí nomes como a NFL, a liga de futebol americano, e a MLB, a liga americana de basebol. A Birkenstock, fabricante das famosas sandálias ortopédicas, abandonou mesmo a plataforma em janeiro devido às contrafações.

Birkenstock junta-se à lista de produtos que saíram da Amazon
Birkenstock junta-se à lista de produtos que saíram da Amazon.Pixabay

As queixas também têm vindo dos vendedores mais pequenos que sentem que, assim que o seu produto se torna minimamente popular, são atacados por “copycats” que utilizam produtos de pouca qualidade para roubar mercado e manchar a imagem destes negócios de menor dimensão.

Existem já pessoas que se dedicam à compra destes produtos apenas para poderem posteriormente fazer uma avaliação negativa e reportar à Amazon. Este processo de reporte funciona rapidamente, mas tem-se assistido a um ciclo vicioso difícil de romper: comprar, reportar, suspensão de conta e criação de nova conta — sim, porque assim que são alvo de banimento, os criminosos fazem logo uma nova conta e continuam o negócio como se nada fosse.

Outras plataformas como a eBay e a Alibaba também têm apertado o cerco aos produtos falsos, numa altura em que dados mostram que a importação de contrafeitos perfaz já 2,5% da importação global.

Editado por Mónica Silvares

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amazon e a luta contra a contrafação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião