Cabral dos Santos talvez ‘in’, Esmeralda Dourado ‘out’

Paulo Macedo está a formar a equipa e, tudo indica, vai escolher gestores da casa. Cabral dos Santos poderá ser um deles. Já Esmeralda Dourado não integra a equipa.

Paulo Macedo e Rui Vilar continuam a fazer contactos para construírem uma nova equipa de gestão da CGD que garanta a aprovação do BCE sem reservas. Segundo apurou o ECO, José Pedro Cabral dos Santos poderá regressar à administração executiva do banco público, enquanto Esmeralda Dourado está fora da equipa por opção própria.

Cabral dos Santos é um quadro da CGD e pertenceu à equipa de administração de José de Matos. Foi o responsável pela área do crédito às empresas e, com a saída daquela equipa, acabou por pedir a reforma. Preenche, ainda assim, os requisitos definidos por Paulo Macedo, é um homem da casa e já passou os crivos de Bruxelas.

José João Guilherme, esse, vai mesmo integrar a equipa, como avançou o JdN. Antigo colega de administração de Paulo Macedo no BCP e, posteriormente, administrador do Novo Banco na equipa de Eduardo Stock da Cunha. É um gestor com experiência na área do retalho e na gestão da rede de balcões. Foi isso que fez no BCP e Novo Banco.

Já Esmeralda Dourado, dada como certa na equipa como administradora não executiva, não vai integrar o conselho da CGD. Gestora com longa experiência na banca, Esmeralda Dourado foi convidada, já com este governo, para presidente executiva e declinou o convite. Tem projetos próprios que lhe retiram o tempo para funções executivas, mas, depois daquele convite, só mesmo a função “chairwoman” a poderia convencer. Mas essa já está preenchida por Rui Vilar, que transita da equipa.

Mais complexa está a posição dos três administradores executivos da equipa de António Domingues que não pediram a renúncia aos cargos. São eles Tiago Ravara Marques, João Tudela Martins e Pedro Leitão. Paulo Macedo já terá dado indicações de que não conta com os três, eram homens de confiança de Domingues, mas têm contrato e, por isso, têm de ser indemnizados em caso de rescisão contratual.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cabral dos Santos talvez ‘in’, Esmeralda Dourado ‘out’

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião