António Costa sobre CGD: “Convém não confundir episódios com o que é essencial”

CGD foi o primeiro tema da entrevista ao primeiro ministro feita esta noite, pela RTP.

“Ninguém pode negar que houve um conjunto de episódios que não são positivos. Mas convém não confundir episódios com o que é essencial”, disse António Costa sobre a polémica da Caixa. Questionado, em entrevista à RTP sobre se o assunto Caixa seria “o melhor falhanço deste Governo”, o primeiro ministro disse que o balanço é positivo pelo caminho no sentido de “manter o banco do Estado e como grande pilar das famílias e do sistema financeiro”, garantiu.

Temos de perceber que as empresas, mesmo sendo públicas, não são do Estado. Continuam a ser empresas. Para que a capitalização fosse aprovada, tínhamos de saber quais as necessidades de financiamento”, disse.

“Se há coisa que não pode ser apontada é este governo não ter feito o possível para que os bancos consigam todos eles encontrar o melhor caminho”, disse, sobre o processo que o Executivo tem conduzido na Caixa.

“Ou confiamos no trabalho das empresas de auditoria ou não. Não podemos construir uma política sustentável e séria assente noutro dado que não seja a verdade”, assegurou o primeiro ministro. “O que aconteceu no passado (…) é que não é desejável para o futuro. Precisamos de um sistema financeiro tranquilo e organizado”, disse ainda.

O outro lado da Caixa

Questionado sobre as razões que levaram à demissão de António Domingues, a primeira escolha do Governo para ocupar o cargo de presidente da Caixa, António Costa não quis adiantar pormenores.

O melhor é perguntar-lhe a ele [a Domingues]. Se quer entrevistar António Domingues… Lamento a decisão. Respeito-a. Tenho a certeza que o Dr. Paulo Macedo assegurará uma gestão da Caixa”, disse António Costa, sublinhando que todo o processo teve em conta o “respeito respeito pelo compromisso com o salário que fosse compatível com o sistema do mercado” e “foi aprovado e Conselho de Ministros, na Assembleia da República”.

“Não sei se o tema das declarações foi o motivo efetivo [para a demissão de António Domingues]”, disse ainda António Costa, sublinhando que “tudo o que foi acordado com António Domingues foi escrupulosamente cumprido pela parte do Governo”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa sobre CGD: “Convém não confundir episódios com o que é essencial”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião