Itália vai pedir ajuda para a banca? Governo nega

O Governo de Itália estará a preparar-se para pedir 15 mil milhões de euros ao mecanismo europeu de estabilidade para apoiar a banca, avança o La Stampa. Contudo, o Executivo nega ter feito o pedido.

Itália estará a preparar-se para pedir 15 mil milhões de euros à Europa para apoiar os bancos italianos em dificuldades. A notícia é avançada na edição de hoje do italiano La Stampa (acesso gratuito), que diz que o Governo italiano terá pedido um empréstimo ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (MME) desse valor, para avançar com uma intervenção não só no Monte dei Paschi, como também no Popolare Vicenza and Veneto Banca, no Banca Carige, e em quatro instituições financeiras que foram resgatadas pelo Executivo italiano no ano passado.

A informação terá sido a dada La Stampa por duas fontes do Ministério das Finanças que não se quiseram identificar. O valor do empréstimo a pedir ao MME iria também permitir ao UBI banca adquirir o crédito malparado de três “bancos bons” do total de quatro instituições financeiras resgatadas no ano passado. O jornal italiano diz que este pedido de apoio seria incluído num decreto-lei da responsabilidade do novo Governo.

Entretanto, esta notícia foi negada pelo próprio Ministério das Finanças italiano que diz, “negar que está a preparar qualquer pedido ao Mecanismo Europeu de Estabilidade”, segundo avançou fonte oficial do gabinete liderado por Pier Carlo Padoan, citada pela Bloomberg.

O Monte dei Paschi, que tem estado no olho do furacão da crise da banca italiana, está a avaliar alternativas ao plano de reestruturação que prevê um aumento de capital de cinco mil milhões de euros através do apoio dos acionistas e de outros investidores. Uma das alternativas passaria por uma forma limitada de participação por parte do Estado, segundo avançou esta terça-feira a imprensa italiana, citando fontes próximas que não se quiseram identificar.

As ações do Monte dei Paschi registam fortes ganhos nesta manhã a reboque da notícia de hoje do La Sampa: 7,3% para os 20,28 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália vai pedir ajuda para a banca? Governo nega

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião