Angola em estagnação ou mesmo recessão

  • Lusa
  • 12 Dezembro 2016

Os principais indicadores sobre a economia de Angola apontam para "um cenário de estagnação ou mesmo de recessão", revela o gabinete de estudos económicos e financeiros do banco português BPI.

“Na ausência de dados do PIB angolano (os últimos dados definitivos correspondem a 2013), as várias estatísticas económicas mostram uma economia em estagnação ou mesmo quebra, tanto no setor petrolífero como nas outras indústrias“, escrevem os analistas do BPI numa análise ao Orçamento do Estado de Angola para o próximo ano.

Questionado pela Lusa sobre se é possível inferir que Angola estará já em recessão económica neste ano ou se é previsível que esteja em 2017, o economista responsável pelo acompanhamento do país disse que “para a economia não-petrolífera, os indicadores assim o apontam, embora não seja possível aferir completamente dada a ausência de dados relativos ao PIB”.

José Miguel Cerdeira explicou que “havendo uma diminuição tão abrupta das importações, é difícil imaginar um cenário em que isso não corresponda a uma quebra semelhante do consumo privado e possivelmente do investimento, e por sua vez, do PIB”.

“O facto de a inflação ser mais acentuada do que o crescimento homólogo do crédito e também da circulação de moeda aponta para o mesmo sentido“, disse o economista.

Um cenário de estagnação este ano, como apontam as previsões do Fundo Monetário Internacional e da Economist Intelligence Unit, “é também o cenário mais natural dada a diminuição dos gastos estatais, quando as despesas do Estado assumem um papel tão importante na economia, como no caso de Angola – a despesa do Estado representava, nos últimos dados, 26% do PIB angolano, enquanto o investimento, que é maioritariamente público, totalizava 27% do PIB”.

Assim, concluiu o analista, “não só por via de menores subsídios e menor compra de bens e serviços por parte do Estado, como por um significativo decréscimo do investimento público, são tudo fatores que indicam que o país estará num cenário de estagnação ou mesmo de recessão”.

O gabinete de estudos económicos e financeiros do BPI considera ainda que a previsão de aumento da dívida pública para 75% do PIB até final deste ano é “seguramente arriscado” para um país como Angola. Os economistas do BPI consideram que “a dívida pública que, segundo o Fundo Monetário Internacional, superará os 75% no final de 2016 é seguramente um cenário arriscado para uma nação como Angola”.

Em causa está o forte abrandamento do crescimento económico e a desvalorização da moeda nacional, que torna o pagamento dos juros da dívida mais caro, num cenário em que pelo menos até 2021 o rácio da dívida sobre o PIB vai manter-se acima dos 65%.

“Tudo está dependente da evolução do preço do petróleo”, lê-se na análise do José Miguel Cerdeira. “Se houver uma subida sustentada em 2017 [do preço do petróleo] para a casa dos 60 dólares por barril, todo o cenário é mais facilitado para Angola, e torna-se mais possível a manutenção do câmbio”, escreve, ressalvando que, ainda assim, o cenário mais provável aponta para “um câmbio menos forte para a moeda angolana”.

Angola vive desde finais de 2014 uma profunda crise económica e financeira devido à quebra para metade nas receitas com a exportação de petróleo, que por sua vez fez diminuir a entrada de divisas no país, travando as importações.

O Governo prevê um crescimento da economia em 2017 equivalente a 2,1% do PIB, face aos 1,1% admitidos para este ano, na revisão do Orçamento aprovado em setembro.

Além disso, está previsto um novo défice orçamental, de 5,8% do PIB, nas contas públicas do próximo ano.

Artigo atualizado às 9h41 com os dados sobre a dívida

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola em estagnação ou mesmo recessão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião