Governo vai dar benefícios fiscais à Embraer, Eurocast e Faurecia

  • Margarida Peixoto
  • 13 Dezembro 2016

O Governo vai aprovar contratos fiscais de investimento para várias empresas, relacionados com a indústria automóvel não poluente. Os incentivos abrangem a Embraer, Eurocast e Faurecia, apurou o ECO.

O Governo está prestes a assinar um conjunto de contratos fiscais de investimento direcionados para a indústria automóvel não poluente. Entre outras empresas, o pacote de incentivos fiscais que está a ser ultimado abrange investimentos da Embraer, Eurocast e Faurecia, apurou o ECO.

A negociação entre o Executivo e as empresas envolvidas já está fechada e os contratos estão a ser ultimados, devendo ser assinados muito em breve. As minutas deverão ser aprovadas ainda em Conselho de Ministros. Ao que o ECO apurou, os contratos dizem respeito a investimentos que acautelam a segurança ambiental.

Segundo o Expresso, estão em causa 24 milhões de euros e seis contratos de investimento. Contudo, ainda são desconhecidos que contratos, em concreto, são estes.

Em agosto, a Embraer anunciou um plano de reestruturação global que implicava a redução de custos na ordem dos 200 milhões de dólares (perto de 190 milhões de euros), mas garantiu que os investimentos em Portugal estavam assegurados. Neste momento, a empresa tem duas fábricas em Portugal, em Évora, e está a adquirir novas máquinas e a ampliar a sua capacidade.

Também no verão foi anunciada a construção de uma nova fábrica da Eurocast, em Estarreja. Esta segunda unidade, garantiu a multinacional francesa em comunicado, será a maior do grupo, que está presente em nove países.

Já a Faurecia, uma das maiores produtoras mundiais de componentes automóveis, inaugurou em junho uma segunda fábrica em Bragança, que permitiu criar 400 postos de trabalho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai dar benefícios fiscais à Embraer, Eurocast e Faurecia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião