Alstom obrigada a devolver incentivos financeiros por incumprimento de contrato

  • Lusa
  • 25 Outubro 2016

Governo anula contrato de investimento assinado há três anos com a Alstom Portugal, para construir uma fábrica em Setúbal, pedindo a devolução do incentivo financeiro pago à empresa.

O despacho conjunto do ministro da Economia, Caldeira Cabral, e do secretário de Estado da Internacionalização, Faria da Costa Oliveira, assinado há duas semanas e hoje publicado em Diário da República, revela que a resolução do contrato implica também a devolução de juros e que a reposição pode ser feita em 36 prestações mensais.

O contrato de investimento em causa foi assinado em fevereiro de 2013, entre a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), em representação do Estado, e a Alstom Portugal, na qualidade de promotor, a Alstom Espanha, na qualidade de sócio, e a Alstom Holdings, na qualidade de casa-mãe.

O contrato tinha por objeto a construção e equipamento de uma unidade fabril em Setúbal para produzir condensadores direcionados para centrais nucleares, tendo sido concedido ao projeto incentivos financeiros, depois de ter sido declarado investimento de interesse estratégico.

Um ano depois, em março de 2014, a Alstom Portugal, em consequência da cisão das suas áreas de negócio ligadas às energias renováveis, que transitaram para uma nova empresa do grupo, solicitou à AICEP a renegociação daquele contrato, para prorrogar o período de investimento, substituir os produtos que deveriam ser fabricados e reformular o plano de investimento.

“A aceitação da renegociação proposta pela Alstom Portugal ficou condicionada ao reconhecimento do interesse estratégico do projeto na sua nova configuração. Não tendo sido reconhecido o interesse estratégico do projeto reformulado, não foram, consequentemente, formalizadas quaisquer alterações ao contrato”, explica o Governo no despacho.

No âmbito da auditoria ao projeto, realizada em novembro de 2015, constatou-se que os postos de trabalho da Alstom Portugal, em março desse ano, ascendiam a 210, quando já deveriam constar do seu quadro de pessoal 373 postos de trabalho permanentes, correspondentes aos 55 a criar, acrescidos dos 318 já existentes.

Despacho

No documento, o Executivo explica que a Alstom Portugal não cumpriu o prazo para a conclusão do investimento (uma vez que só ocorreu em agosto de 2014, quatro meses após a data contratualmente fixada), não fabricou os produtos acordados (tendo-os substituído por outros, para centrais de ciclo combinado) e não cumpriu o objetivo de criar e manter postos de trabalho.

“No âmbito da auditoria ao projeto, realizada em novembro de 2015, constatou-se que os postos de trabalho da Alstom Portugal, em março desse ano, ascendiam a 210, quando já deveriam constar do seu quadro de pessoal 373 postos de trabalho permanentes, correspondentes aos 55 a criar, acrescidos dos 318 já existentes”, lê-se no despacho.

“Apesar de, em sede de contraditório do relatório técnico de auditoria, ter alegado que a redução dos postos de trabalho se prendeu também com a conjuntura económica internacional e as dificuldades financeiras relativas aos seus mercados consumidores, a Alstom Portugal reconheceu que não cumpriu tal objetivo contratual devido à cisão das suas atividades e, bem assim, por ter adquirido um equipamento que não diz respeito ao projeto contratualizado”, acrescenta.

O Governo conclui assim ter existido no ano passado um grau de cumprimento do contrato de 62,35%, razão porque resolve o contrato, e lembra que o incumprimento a 100% resultou da decisão de reestruturação do grupo a que pertence a Alstom.

Em novembro do ano passado, a multinacional norte-americana General Electric (GE) adquiriu a Alstom/Setúbal e assumiu a responsabilidade da gestão da empresa no início deste ano.

“Uma vez que resulta de uma decisão de reestruturação do Grupo no qual a sociedade promotora se insere, o incumprimento do contrato é inteiramente imputável à Alstom Portugal, ao seu sócio e à casa-mãe”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alstom obrigada a devolver incentivos financeiros por incumprimento de contrato

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião