Governo dá incentivo fiscal a quem andar de transportes públicos

Quem andar de transportes públicos vai ter incentivo fiscal. Para o Orçamento do Estado para 2017, o Governo preparou benefícios fiscais para os contribuintes que utilizem transportes coletivos.

Até sexta-feira o Governo deve fechar legislação para beneficiar contribuintes que utilizem os transportes públicos. A notícia, do Público, cita fontes governamentais e contextualiza esta medida num conjunto mais vasto de incentivos relacionados com a fiscalidade verde. A medida deve constar do Orçamento do Estado para 2017 entregue esta sexta-feira, dia 14 de outubro, na Assembleia da República.

A fiscalidade verde vai ser uma das apostas do Governo para o orçamento do próximo ano. O Executivo de António Costa quer permitir a dedução à coleta do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) das despesas com bilhetes ou passes de autocarro, comboio ou metro. A ideia é fazer o que já acontece com as despesas de educação, explica o Público.

Por decidir está o montante em causa, mas também os transportes abrangidos pelo incentivo fiscal. O modelo de implementação pode prever a dedução total do valor gasto em transportes públicos ou apenas uma parte. Além disso, existem vários transportes coletivos e várias empresas a atuar, com distâncias diferentes, que podem ter diferentes deduções.

O jornal escreve ainda que a definição da medida depende da despesa fiscal que vier a gerar, uma vez que este benefício corta a receita até agora recebida pelos gastos nos transportes públicos. Esta medida era já pedida por Heloísa Apolónia, líder parlamentar do Partidos “Os Verdes”, para incentivar a utilização dos transportes coletivos. O objetivo está relacionado com alterações climáticas, mas também com a mobilidade sustentável.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo dá incentivo fiscal a quem andar de transportes públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião