Compra da Yahoo pela Verizon pode cair

A nova brecha de segurança, que compromete os dados pessoais de mil milhões de utilizadores, pode sair caro à Yahoo. A oferta da Verizon para compra da empresa pode perder valor, ou mesmo cair.

Quando, em setembro, a Yahoo revelou ter sido alvo de um ataque informático, a Verizon tinha acabado de ganhar a longa corrida para a compra da gigante tecnológica. Em cima da mesa, um negócio avaliado em 4,4 mil milhões de euros, anunciado cerca de dois meses antes. O facto de estarem em risco os dados pessoais de 500 milhões de utilizadores fez a Verizon vacilar. Falou-se que o negócio ia cair ou perder valor. E os investidores tremeram.

Esta quarta-feira, mais um take: um novo ataque informático, que compromete as contas de mil milhões de utilizadores da Yahoo, o dobro do anterior. E desta vez é a sério: a Verizon está, alegadamente, a ponderar cortar o valor da oferta ou deixar cair de vez a proposta, algo que deixará a Yahoo em muitos maus lençóis. A informação está a ser avançada pela agência Bloomberg, que cita fontes próximas do processo.

Naturalmente que a Verizon não quer ficar com culpas do sucedido, pelo que, a avançar, poderá ser negociado um distanciamento total da operadora de quaisquer consequências judiciais que advenham destas brechas de segurança. Isto, pagando um preço menor pela aquisição da Yahoo. A tratar disto estará uma equipa judicial dirigida por Craig Silliman, consultor geral da Verizon, que estará a analisar os potenciais danos provocados pelos incidentes.

Apesar de tudo, a Bloomberg refere que outro grupo, liderado por Tim Armstrong, presidente executivo do grupo de media AOL, subsidiário da Verizon, continua focado na integração da Yahoo. Os holofotes voltam-se assim para a operadora norte-americana. Quanto à Yahoo YHOO 0,00% , está a desvalorizar 4,27% em bolsa, com os títulos da empresa a valerem agora cerca de 39,17 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Compra da Yahoo pela Verizon pode cair

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião