Macedo arrisca entrar na CGD com equipa incompleta

  • ECO
  • 16 Dezembro 2016

Governo ainda não enviou os nomes da restante equipa que vai formar a gestão do banco público para aprovação formal do Banco Central Europeu (BCE), a menos de duas semanas da saída de Domingues.

Paulo Macedo arrisca a entrar na presidência da Caixa Geral de Depósitos (CGD) sem que a equipa de gestão esteja completa. Com a saída de António Domingues de funções no banco público já no final do ano, os nomes que vão integrar a nova administração ainda não foram entregues formalmente junto do Banco Central Europeu (BCE), entidade responsável por validar ou não as lideranças dos bancos na Zona Euro, segundo avança esta sexta-feira o Público (acesso condicionado).

Ao contrário do processo que conduziu Domingues a presidente executivo da CGD, o Ministério das Finanças optou por fazer um processo de consultas informais com o supervisor europeu no sentido de garantir que não voltará a haver problemas ou recusa dos nomes propostos pela tutela.

É neste cenário mais burocrático que o processo formal de aprovação dos novos nomes em Frankfurt pode facilmente ultrapassar o dia 31 de dezembro, dia em que António Domingues abandona o cargo para o qual foi eleito em agosto.

Uma fonte adiantou àquele jornal que nas conversas informais entre Lisboa e Frankfurt ainda não estão incluídos todos os nomes que vão fazer parte da equipa de Paulo Macedo. Ainda assim, bastará a luz verde da autoridade europeia em relação a dois ou três novos administradores executivos, dentro da lista de cinco que Macedo já tem fechado, para que a administração possa assumir funções já no dia 1 de janeiro, embora a meio gás, faltando conhecer-se quem vai desempenhar funções não executivas.

Segundo avançou o ECO no início da semana, Paulo Macedo já tem seis nomes fechados para o acompanhar na administração do banco público. São eles José João Guilherme (antigo administrador do BCP e do Novo Banco), Nuno Martins (adjunto do secretário de Estado do Tesouro), Maria João Carioca (presidente da Euronext Lisbon), José Brito (diretor coordenador, responsável pela área financeira e de mercados da CGD), Francisco Cary (ex-quadro do grupo Espírito Santo e administrador do BES Investimento) e João Tudela Martins (transita da anterior equipa).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Macedo arrisca entrar na CGD com equipa incompleta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião