Condenações por crimes de mercado: 2016 foi “ano sem precedentes”

  • ECO
  • 17 Dezembro 2016

Em 2016, os tribunais fizeram quatro condenações por crimes de mercado. Para o regulador, foi um "ano sem precedentes".

Uso de informação privilegiada, manipulação. Estes são os dois tipos de crimes financeiros que se destacam este ano no que toca a crimes de mercado, num ano em que se registaram quatro condenações pelos tribunais, segundo o jornal Expresso (acesso pago). O número leva a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o regulador dos mercados, a considerar 2016 “um ano sem precedentes”.

De acordo com o semanário, os quatro processos que resultaram em condenações dizem respeito a crimes praticados entre 2008 e 2012. O primeiro, em janeiro de 2008, envolveu três altos quadros do Banco Espírito Santo (BES) que compraram ações da EDP para carteira própria, terminando antecipadamente um contrato de derivados sobre ações da energética. As ações valorizaram 4,73% e, três dias depois, os títulos foram vendidos, encaixando-se um montante de 10 milhões de euros de mais-valia.

O segundo aconteceu no decorrer do ano de 2009 e envolveu dois quadros da F&C Portugal, gestora de ativos. Em causa, compras de pequenas quantidades de títulos da SAG que iam valorizando as ações da empresa. Foram condenados pelo Tribunal Criminal de Lisboa por manipulação de mercado.

O terceiro caso envolveu um experiente intermediário financeiro, condenado por abuso de informação. O quarto caso envolveu um familiar de pessoas ligadas a acionistas do grupo José de Mello e a compra de ações da Brisa, também condenado pelo crime de abuso de informação.

Segundo o Expresso, há ainda um caso em recurso, que remonta ao ano de 2007, relativamente à compra de 760 mil euros de ações do BCP, títulos que foram vendidos no dia em que o BPI propôs a fusão com o banco. Em causa, uma mais-valia de 57 mil euros com a valorização das ações em mais de 7%.

Há também 12 casos em fase de inquérito no Ministério Público (MP), de um total de 44 participações pela CMVM. Explica o regulador que só não foram a julgamento mais casos porque os arguidos aceitaram “fazer acordos” antes ou depois “de serem formalmente acusados pelo MP”. Esses acordos, cita o Expresso, “envolvem a devolução dos lucros as operações” e a “realização de doações em benefício de instituições de solidariedade social” — 17 foi o número de acordos deste tipo registados em 2016.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Condenações por crimes de mercado: 2016 foi “ano sem precedentes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião