Qual foi a moeda que valorizou mais em 2016?

A moeda virtual bitcoin disparou 79% desde o início do ano. Já vale 778 dólares.

Nem real, nem rublo, nem dólar. A moeda que mais valorizou ao longo deste ano foi a bitcoin, a nebulosa moeda virtual que só é transacionada na internet. Como é que isso aconteceu?

A moeda eletrónica, regulada como as matérias-primas como o petróleo ou o ouro, valorizou 79% desde o início do ano e já vale 778 dólares, o nível mais elevado desde 2014, segundo os dados recolhidos pela Bloomberg. A evolução representa quatro vezes os ganhos do rublo ou do real, as duas moedas que mais subiram este ano.

Depois de ter sido criada, em 2008, o apetite dos investidores por esta moeda disparou de imediato. Mas, a partir de 2014, com o aperto da regulação, a bitcoin chegou a afundar 58%. Agora, o apetite voltou, e há uma série de razões para que isso tenha acontecido.

Desde logo, o controlo do fluxo de capitais na China. Por outro lado, e com a vitória de Trump e do brexit, os receios de que as economias britânica e norte-americana passem a virar-se para dentro. Não menos importante, há cada vez mais empresas e consumidores a adotarem a moeda virtual.

“A bitcoin está a desenvolver”, refere à Bloomberg o responsável de uma venture capital que comprou milhares de bitcoins ao longo dos anos. “Começa a haver usos de consumo para a bitcoin e, se as pessoas têm preocupações para com as próprias moedas, fogem para a bitcoin como alternativa”, acrescenta.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual foi a moeda que valorizou mais em 2016?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião