Conselho da Diáspora: os projetos que não deve perder de vista

  • ECO
  • 20 Dezembro 2016

Esta quinta-feira reúnem-se, em Cascais, 90 conselheiros portugueses que representam o que de melhor se faz lá fora com assinatura portuguesa. E há projetos em cima da mesa.

Quando as 90 superstars portuguesas se reunirem em Cascais na manhã desta quinta-feira, há três coisas que não podem faltar em cima da mesa de discussão. É que, para 2017, há três projetos essenciais a serem preparados a todo o vapor:

  1. Conferência EurAfrican Forum, para debater as oportunidades nas relações Europa-África com sessões plenárias e keynote speakers e que pretende reunir líderes empresariais de topo europeus e africanos e Chefes de Estado de Portugal.
  2. Conferência aberta MD Anderson, sobre o tema “A Prevenção do Cancro” para discussão de doenças oncológicas e mecanismos de prevenção na saúde da população, no sistema educativo e nos profissionais do setor.
  3. Rede de mobilização da diáspora portuguesa para promoção da arte e cultura de Portugal portuguesa no mundo. O desafio será lançado a um conjunto de conselheiros no encontro anual, com plano de implementação para 2017.

Em entrevista ao ECO, o presidente do Conselho da Diáspora Filipe de Botton disse que a promoção de iniciativas de portugueses pelo mundo e a criação de contactos entre estes embaixadores de Portugal são dois dos principais objetivos desta reunião, realizada este ano pela quarta vez.

Além dos três projetos em destaque, o Conselho da Diáspora está responsável pela planificação e concretização de outros projetos, desenvolvidos ao longo do ano. Em curso estão nove projetos, relacionados com cinco grandes áreas de ação: prevenção de doença/promoção de saúde, enquadramento fiscal de finança islâmica em Portugal, inovação no mercado audiovisual em Portugal, promoção, difusão e projeção da Língua Portuguesa e higher education system.

No campo da prevenção da doença e promoção da saúde, de destacar quatro iniciativas: Aspire, de prevenção do tabagismo dirigido a crianças dos 11 aos 18 anos; Sunbatables, que visa a prevenção de melanoma dirigido a crianças dos 3 aos 5 anos; leadership training, um programa de formação a jovens médicos e equipas multidisciplinares que envolve recolha e gestão de dados; e o lung cancer early detection, dedicado à prevenção do cancro do pulmão para o setor segurador-empresas, e identificação de tissue bank and biomakers para deteção precoce da doença. Todos os projetos ligados à saúde contam com o apoio de Ronald de Pinho, Jorge Portugal, MD Anderson, DGE, DGS, CHLN e Multicare.

Filipe de Botton e Jorge Portugal lideram as equipas responsáveis pelo projeto relacionado com o enquadramento fiscal da finança islâmica e Portugal denominado “Sukuks”. A ideia do Conselho da Diáspora é propor alterações ao regulamento fiscal português que contemplem a emissão de obrigações e produtos sharia compliant. O primeiro seminário realizou-se em dezembro de 2014.

António Moreira, Irene Fonseca e Manuela Veloso encabeçam a equipa de liderança do higher education system, o projeto empenhado em identificar soluções para transformação do processo de educação em Portugal através de um plano de partilha de experiências em parceria com as principais universidades portuguesas. O projeto-piloto arranca em 2017 com um protocolo com quatro universidades.

Na manhã de quinta-feira, os conselheiros reúnem-se para trabalhar e discutir soluções e planos de ação. O programa do Conselho da Diáspora pode ser consultado aqui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho da Diáspora: os projetos que não deve perder de vista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião