Dormir na Ikea? Não é boa ideia

A Ikea vê-se a braços com um problema muito singular: há gente a passar a noite no interior das suas lojas de mobiliário. "Não vemos o que há de divertido nisso."

É caricato. No mínimo. Ao que parece, agora é moda passar a noite numa loja da Ikea. Há registo de pelo menos dez incidentes do género, ao ponto de a empresa ter que tornar explícito aquilo que, aparentemente, ainda não é óbvio: dormir numa loja da Ikea é ilegal, é invasão de propriedade, e cria muitos problemas desnecessários.

“Não podemos garantir a segurança. Nem vemos o que há de divertido nisso”, indicou a empresa sueca em comunicado. Segundo informações da Associated Press, citadas pelo jornal The Guardian, já foram registados casos em lojas nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Bélgica, Holanda, Suécia, Japão, Austrália e Polónia.

Segundo o jornal britânico, a moda terá começado em agosto, quando dois jovens belgas, que se dão pelo nome de “Bakuna Fatata”, se esconderam num guarda-roupa numa loja na Bélgica. Quando o estabelecimento fechou, os jovens saíram e filmaram um vídeo durante a madrugada, que soma quase dois milhões de visualizações no YouTube. O título: “Dois idiotas à noite no Ikea”.

O jornal indica também que o caso mais recente aconteceu na última semana, na Suécia, e envolveu duas menores, com 14 anos de idade. “Falámos com os pais delas”, indicou a empresa. As raparigas terão tentado passara noite no interior de um estabelecimento da empresa de mobiliário, na cidade de Jönköping.

Coincidência ou não, há cerca de dois anos, a Ikea lançou um programa que permitia aos clientes passar uma noite numa das lojas australianas da marca, em parceria com a Airbnb. O objetivo era proporcionar “aos visitantes uma experiência verdadeiramente incomum”, recorda o The Guardian. Parece que o tiro saiu pela culatra.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dormir na Ikea? Não é boa ideia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião