Defesa da educação não se faz apenas com boa vontade, é preciso investimento

  • Lusa
  • 25 Dezembro 2016

Marisa Matias reagiu à mensagem de Natal do primeiro-ministros, salientando que é preciso investir na educação. Diz que o país não pode pagar "mais em juros da dívida" do que na educação.

A eurodeputada do Bloco de Esquerda, Marisa Matias afirmou hoje, em reação à mensagem de Natal do primeiro-ministro, que a defesa da educação não se faz apenas “com boa vontade”, é necessário investir.

A defesa da educação não se faz apenas “com boa vontade ou com medidas pontuais. É preciso investimento”, disse a eurodeputada bloquista, sublinhando que o país continua a pagar “mais em juros da dívida” do que aquilo que gasta com o orçamento global para a educação.

“Precisamos de libertar recursos”, reivindicou Marisa Matias, que falava na sede do Bloco de Esquerda de Coimbra, em reação à mensagem de Natal do primeiro-ministro, António Costa, que considerou hoje a educação como a principal prioridade das famílias e da sociedade.

No entanto, a eurodeputada do BE reconheceu que o Governo assumiu um compromisso “com a escola pública”, nomeadamente quando “decidiu começar a cessar os contratos de associação ou medidas como a gratuitidade dos manuais escolares”.

Apesar do compromisso assumido, Marisa Matias vincou que o “eterno problema” centra-se nos “recursos disponíveis”, com o país a ter um “saldo primário muito elevado”, mas sem poder usufrui-lo.

“A renegociação da dívida é uma questão absolutamente central”, permitindo ao país “libertar recursos” para poder investir, nomeadamente na educação, notou.

Na reação do BE ao discurso de António Costa, a eurodeputada frisou ainda que 2016 “provou que era possível fazer melhor do que se fez nos anos anteriores”, referindo que o Governo tem de provar “de que se pode fazer melhor em 2017”.

“Estamos contentes, mas não estamos ainda satisfeitos”, resumiu, deixando ainda alguns desafios para o executivo socialista: um investimento sério na cultura, o fim das parcerias público-privadas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), combate à precariedade não só no setor público como no privado e ainda um incremento da contratação coletiva.

Na sua mensagem de Natal enquanto líder do Governo, António Costa optou por inovar, gravando a sua intervenção não como habitualmente a partir da residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, mas sim tendo como palco o Jardim de Infância do Lumiar, em Lisboa.

“Quero assim sublinhar que – tal como no Natal – as crianças têm de estar todos os dias no centro das nossas preocupações e que a sua educação tem de ser a primeira das nossas prioridades, enquanto famílias e enquanto sociedade”, justificou António Costa.

Na sua mensagem, o primeiro-ministro sustentou que o conhecimento “é a chave do futuro”, razão pela qual o seu executivo fixou como “objetivo fundamental generalizar o ensino pré-escolar a todas as crianças a partir dos três anos de idade” e “lançar o programa Qualifica, dirigido especialmente à educação e formação dos adultos”.

António Costa defendeu ainda que a pobreza e a precariedade laboral são “as maiores inimigas de uma melhor economia”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Defesa da educação não se faz apenas com boa vontade, é preciso investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião