Quando o seu gestor compra um Ferrari, mude de gestor

  • Bloomberg
  • 25 Dezembro 2016

Escolha do carro diz algo sobre o seu dono, conclui um estudo.

Talvez David Einhorn já soubesse de algo quando comprou Honda Odyssey. O carro que um gerente de hedge fund conduz diz algo sobre a sua capacidade para enfrentar riscos — e sobre a sua capacidade de gerar retornos superiores aos do mercado. Os mercado das minivans, em particular, administram fundos que tendem a assumir muito menos risco e a demonstrar uma volatilidade mais baixa do que os gestores que possuem carros desportivos, segundo um novo estudo dos investigadores Yan Lu, Sugata Ray e Melvyn Teo.

O estudo conclui que ter um determinado carro pode ser um bom indicador de uma característica a que os especialistas chamam “busca de sensações”, que tem sido relacionada com o abuso de substâncias e até com crimes — o que é um comportamento pouco confiável quando diz respeito à gestão de recursos. Os investigadores descobriram que a propensão maior pela tomada de risco se dá “sem ser compensada com retornos maiores”.

Por exemplo, os retornos ajustados ao risco caíram mais de 21% no caso de gestores donos de carros desportivos, em comparação com a média. Dito de outra forma, o hedge fund médio comandado pelo dono de um carro desportivo é mais de 16% mais volátil do que os dos gestores que conduzem carros mais “práticos”.

Os resultados mantêm-se quando se trata de analisar outros fatores, como a idade ou as restrições de ações, disseram os autores do estudo. Além disso, o significado das preferências dos gerentes para os carros vai além do simples desempenho do fundo. É também um prenúncio de resultados mais terríveis.

“Os donos de carros com melhor desempenho têm maior probabilidade de fechar os seus fundos, de se envolver em comportamentos fraudulentos (…) e de sucumbir ao excesso de confiança”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quando o seu gestor compra um Ferrari, mude de gestor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião