Costa: “Verdadeiro défice” é o do conhecimento

António Costa centrou a sua mensagem de Natal na educação. Diz que é preciso continuar a aposta na formação, levando esse conhecimento para as empresas para que estas puxem pela economia.

Na tradicional mensagem de Natal, António Costa focou-se na educação. Disse que o “conhecimento é a chave para o nosso futuro”, salientando que é preciso levar o conhecimento da escola para as empresas. Só assim, diz o primeiro-ministro, teremos uma melhor economia.

O primeiro-ministro salientou que “as crianças têm de estar todos os dias no centro das nossas preocupações e a sua educação tem de ser a primeira das nossas prioridades, enquanto famílias e enquanto sociedade”.

“O conhecimento é a chave para o nosso futuro”, disse Costa, sintetizando as várias medidas que têm sido tomadas pelo seu Executivo neste campo, numa mensagem que foi gravada num jardim-de-infância do Lumiar, em Lisboa.

Costa diz que o “maior e verdadeiro défice” de Portugal “é o do conhecimento”, isto numa altura em que Portugal se prepara para apresentar um défice nas contas públicas de 2,5%. No final do terceiro trimestre, o défice era precisamente o da meta definida pela Comissão Europeia para o total do ano.

salientando depois os resultados do PISA em que Portugal conseguiu pela primeira vez resultados “significativamente superiores” à média da OCDE. Estes resultados “revelam o sucesso do esforço, da dedicação e da qualidade dos nossos alunos, educadores e professores e o investimento continuado que as famílias e o país têm feito desde o 25 de Abril”.

O primeiro-ministro diz que é preciso continuar a formar as novas gerações, aumentando assim os “mecanismos de transferência do conhecimento para as empresas (…), aumentando os empregos de qualidade que ofereçam confiança no futuro à geração mais qualificada que Portugal já formou. E assim, não volte a ser “forçada a emigrar”

“Só teremos melhor economia com melhores empresas e só teremos melhor economia com melhores empresas”, salientou o primeiro-ministro na tradicional mensagem de Natal onde não faltou uma palavra especial aos que trabalham nesta época, bem como aos que estão emigrados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: “Verdadeiro défice” é o do conhecimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião