Um quarto dos portugueses espera pelos saldos para comprar presentes

Este ano, houve mais consumidores a esperar pela época de saldos para comprar alguns dos últimos presentes de Natal.

Quase um quarto dos portugueses decidiu esperar pela época de saldos para comprar alguns dos últimos presentes. A conclusão é do mais recente estudo do Observador Cetelem, que aponta que 23% dos consumidores prefere aproveitar as promoções pós-Natal, mais do que os 20% registados em 2015.

Segundo o estudo, são as mulheres quem mais aproveitam os saldos nesta época, com 28% das consumidoras a referirem que deixam algumas das compras de Natal para esta altura. Já os homens seguem menos esta tendência (18%). Em termos etários, são as gerações dos 18 aos 24 e dos 25 aos 34 anos (27%, em ambos os casos) que mais aguardam pela época de saldos para comprar os últimos presentes.

É sobretudo no sul (30%) que os consumidores esperam pelas promoções, muito mais que no norte (22%) e no centro (20%).

“Voltámos a verificar, este ano, que as pessoas entre os 45 e os 55 anos têm vindo a perder interesse em esperar pela época de saldos. Até 2013, a sua intenção de guardar algumas compras para este período era das mais elevadas entre todas as faixas etárias, mas essa tendência parece ter desaparecido e, a partir de 2014, são as gerações de jovens e de jovens adultos que mais aproveitam os preços baixos das promoções”, conclui Pedro Camarinha, diretor de distribuição do Cetelem.

A época de saldos pós-Natal arrancou logo no dia 26 e há muito por onde escolher. Dos eletrodomésticos à roupa, veja aqui as sugestões do ECO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um quarto dos portugueses espera pelos saldos para comprar presentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião