O dinheiro sujo da Índia acaba de ser lavado hoje

O primeiro-ministro garantiu que o plano de ação resultou na primeira entrevista depois de o ter aplicado. O prazo para trocar o dinheiro termina hoje.

Termina esta sexta-feira o prazo de 50 dias para a troca do dinheiro ‘velho’ pelo ‘novo’. A decisão do primeiro-ministro indiano começou a 8 de novembro para lutar contra a corrupção no país. Narendra Modi fala aos cidadãos este sábado com a situação monetária de regresso ao normal.

Com o prazo a acabar, a moeda antiga só poderá ser depositado no Banco Central da Índia até 31 de março. Depois dessa data, escreve o jornal The Hindu, esse dinheiro ‘velho’ será ilegal e quem o tiver em sua posse pode ser multado ou ir parar à prisão. Os indianos que vivam no estrangeiro também têm até dia 31 de março.

Na primeira entrevista após o início do processo, o primeiro-ministro indiano afirmou que este era um momento decisivo para o país e que o objetivo de limpar o dinheiro ‘negro’ em circulação vai ser alcançado. Narendra Modi garantiu que o dinheiro que estava na posse de terroristas e traficantes “foi neutralizado”. “As receitas conseguidas vão ser usadas para promover o bem-estar dos pobres, os oprimidos e os marginalizados”, anunciou.

Esta sexta-feira, a BBC revelou que os indianos estão a fazer fila nas últimas horas que têm para depositar o dinheiro nos bancos ‘normais’, tal como aconteceu quando a medida foi anunciada. Estima-se que 40% das caixas de multibanco estejam vazias.

Esta nova medida pretende acabar com o excesso de transações em dinheiro. O que aconteceu? O Governo indiano renovou todas as notas e moedas, aumentou o limite de levantamento de dinheiro (o limite foi aumentado, por dia, para os 2.500 rupias; por semana, o número subiu aos 24.000 rupias) e de troca de dinheiro ‘velho’ por novo. O objetivo é lutar contra a corrupção ‘endémica’ e a evasão fiscal.

O primeiro-ministro indiano numa visita ao Japão esta semana. Por causa da confusão instalada na Índia, Narendra Modi foi criticado internamente por marcar a visita na mesma altura. Fotógrafo: Toru Yamanaka/Pool via Bloomberg
O primeiro-ministro indiano numa visita ao Japão esta semana. Por causa da confusão instalada na Índia, Narendra Modi foi criticado internamente por marcar a visita na mesma altura.
Fotógrafo: Toru Yamanaka/Pool via Bloomberg
© 2016 Bloomberg Finance LP

Esta foi uma das promessas eleitorais de Modi aliada à vontade de recuperar rendimento obtido de forma ilegal, localmente conhecido como “dinheiro negro”. Além disso, o primeiro-ministro quer reforçar as medidas contra a propriedade ‘benami’, um método ilegal usado na Índia onde quem compra uma propriedade não é o beneficiário último dessa propriedade, mas sim outra pessoa.

De acordo com a Bloomberg, 86% do dinheiro indiano em circulação estava concentrado nas notas de 500 (cerca de oito dólares) e de 1.000 (cerca de 15 dólares).

Editado por Paulo Moutinho

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O dinheiro sujo da Índia acaba de ser lavado hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião