PSD destaca “poucochinho” feito por PS e nega contribuir para crispação

  • Lusa
  • 2 Janeiro 2017

O dirigente do PSD Matos Correia sublinhou o "poucochinho" feito pelo Governo PS até agora, ao comentar o discurso de Ano Novo do Presidente da República.

O dirigente do PSD Matos Correia sublinhou hoje o “poucochinho” feito pelo Governo PS até agora, ao comentar o discurso de Ano Novo do Presidente da República, rejeitando ainda que os sociais-democratas sejam responsáveis pela crispação política.

“Haverá quem faça essa leitura e quem achasse que havia uma crise iminente. O que nós sempre dissemos e dizemos é que era possível fazer bastante melhor que o poucochinho que foi feito e que as políticas que defendemos e continuaremos a apresentar aos portugueses permitiriam ao país ter um caminho de sucesso muito maior do que o conseguido por este Governo”, afirmou, na sede nacional do PSD, em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa, numa comunicação ao país gravada no Palácio de Belém, considerou 2016 o ano da “gestão do imediato” e desejou mais “crescimento económico” em 2017, reconhecendo “pequenos passos”, mas “muito por fazer”.

O chefe de Estado e antigo líder social-democrata declarou que os portugueses conseguiram afastar “o espetro da crise política iminente, de fracasso financeiro, de instabilidade social que, para muitos, era inevitável” e que “o ambiente nos debates entre políticos foi mais dramatizado do que na sociedade em geral”, num “balanço positivo”.

“Destaco, em particular, a referência que fez à necessidade de o país substituir a gestão no imediato pela gestão a prazo dos problemas fundamentais com que é confrontado. O Presidente da República fez alusão a alguns deles: o crescimento económico anémico com que o país se debate, a questão da lentidão do sistema judicial e a dívida pública, que mantém níveis extremamente elevados”, afirmou o presidente do conselho estratégico social-democrata, Matos Correia.

Para o também deputado do PSD, “a crispação a que fez referência é, quanto muito, uma que advinha daqueles que se opunham ao Governo que esteve em funções quatro anos e meio em momentos particularmente difíceis, em que foi preciso tomar decisões difíceis e aplicar um programa de ajustamento que não foi sequer o PSD e o seu parceiro de coligação (CDS-PP) que negociaram”.

“Se alguns, irresponsavelmente, entraram pelo caminho da crispação, não é esse o caminho que nós temos. O que nós temos é dizer aquilo em que acreditamos e lutar por aquilo que defendemos, mas dentro do respeito pelas regras e princípios democráticos, o que não se pode dizer que tenha acontecido com frequência quando outros estiveram na oposição”, contrapôs.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD destaca “poucochinho” feito por PS e nega contribuir para crispação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião