O discurso de Ano Novo de Marcelo, ponto a ponto

Primeiro discurso de Ano Novo sublinhou a união dos portugueses como fator de sucesso e a necessidade de continuar o esforço pela estabilidade nacional e combate às desigualdades.

2016, balanço positivo

Para o Presidente, no discurso de Ano Novo devem ser sublinhadas as condições conseguidas ao longo do último ano. “É indesmentível que tivemos estabilidade social e política, que alcançámos até um acordo sobre salário mínimo, que os Orçamentos do Estado mereceram, a aceitação da União Europeia, que cumprimos as nossas obrigações internacionais, que trabalhámos para reforçar o sistema bancário, que compensámos alguns dos mais atingidos pela crise, que houve, da parte de mais responsáveis, uma proximidade em relação às pessoas, ao cidadão comum, partilhando os seus sonhos e anseios, as suas angústias e desilusões”, disse.

“Mas, tudo visto e somado, o balanço foi positivo. Entrámos em 2016 a temer o pior. Saímos, a acreditar que somos capazes de melhor”, disse o Presidente da República no discurso de Ano Novo.

Portugal como plataforma

Marcelo sublinhou a força e o poder do todo sobre as partes. “Há quase dez meses, ao tomar posse, recordei a nossa vocação de sempre, que é a de sermos mais do que dez milhões que vivem num retângulo na ponta ocidental da Europa. Somos e temos de ser uma plataforma entre culturas, civilizações e continentes, espalhados pelo mundo, capazes de criar diálogo, fazer a paz, aproximar gentes.”

A meio do caminho

Apesar de Marcelo Rebelo de Sousa sublinhar todas as concretizações do ano, “demos passos – pequenos que sejam – para corrigir injustiças e criámos um clima menos tenso, menos dividido, menos negativo cá dentro e uma imagem mais confiável lá fora, afastando o espetro de crise política iminente, de fracasso financeiro, de instabilidade social que, para muitos, era inevitável”, e apesar de ser tudo “obra nossa – de todos os portugueses”, o Presidente sublinha que ainda “muito (…) ficou por fazer”.

“O crescimento da nossa economia foi tardio e insuficiente. Alguns domínios sociais sofreram com os cortes financeiros. A dívida pública permanece muito elevada. O sistema de justiça continua lento e, por isso, menos justo, a começar na garantia da transparência da política. O ambiente nos debates entre políticos foi mais dramatizado do que na sociedade em geral”, sublinha no primeiro discurso de Ano Novo enquanto Presidente da República.

Mais amor-próprio

Marcelo Rebelo de Sousa atribui os bons resultados de Portugal ao aumento do “amor-próprio enquanto Nação”, sublinhando acontecimentos como a Cimeira Digital, o Euro 2016 e a eleição de António Guterres como Secretário-Geral das Nações Unidas que, juntos, contribuiram para a “afirmação do nosso papel no mundo”

“Quando queremos, nos unimos no essencial, e trabalhamos com competência, método e metas claras – somos os melhores dos melhores. E cumprimos o nosso destino, fazendo pontes, aproximando povos, chegando onde outros não chegam”, sublinhou o Presidente da República. Por isso, assinala ainda que a lição essencial a retirar é: “tivemos sucesso quando nos unimos. E assim será em 2017”.

Prioridades e foco

Antes de prosseguir o caminho, Rebelo de Sousa considera que é necessário “saber o que é preciso fazer primeiro”. “Os nossos princípios: acreditamos nas pessoas, no respeito da sua dignidade, das suas diferenças, dos seus direitos pessoais, políticos e sociais; acreditamos na democracia; acreditamos no Estado Social; acreditamos no dever de construir a solidariedade e a paz, na Europa onde nascemos, na Comunidade que fala português, que ajudámos a criar, no Atlântico, que atravessámos, nos novos mundos onde estivemos e estamos e que queremos unir cada vez mais”.

Com base nos princípios, Marcelo Rebelo de Sousa diz que o caminho para o novo ano é “simples”: “não perder o que de bom houve em 2016 e corrigir o que falhou no ano passado”, sublinhando a importância de fatores como “estabilidade política, paz e concertação, rigor financeiro, cumprimento de compromissos externos, maior justiça social, formação aberta ao mundo, proximidade entre poder e povo. Mas, ao mesmo tempo, completar a consolidação do sistema bancário, fomentar exportações, incentivar investimento, crescer muito mais, melhorar os sistemas sociais, mobilizar para o combate à pobreza infantil e curar de uma Justiça que possa ser mais rápida e, portanto, mais justa”. Por isso, o Presidente da República considera que, se 2016 foi um ano de gestão do imediato, estabilização política e “preocupação com o rigor financeiro”, “2017 tem de ser ano de gestão a prazo e do crescimento económico”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O discurso de Ano Novo de Marcelo, ponto a ponto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião