Automóveis a diesel geram mais emissões do que camiões e autocarros

  • Lusa
  • 6 Janeiro 2017

Um estudo do Conselho Internacional para o Transporte Limpo (ICCT) revela que os automóveis chegam a emitir o dobro dos gases poluentes dos registados pelos camiões.

Os automóveis a diesel geram mais emissões tóxicas de óxido de nitrogénio do que os camiões e autocarros, revela hoje um estudo do Conselho Internacional para o Transporte Limpo (ICCT).

O ICCT realizou estudos que mostraram discrepâncias entre os valores das emissões registados em testes de laboratório e os que se registavam realmente nas estradas, estudos esses que deram origem ao escândalo de manipulação de dados de emissões por parte do grupo Volkswagen nos Estados Unidos.

Para o novo estudo, os cientistas do ICCT utilizaram dados, tanto da Alemanha como da Finlândia, que mostram que os automóveis a diesel geram entre 480 e 560 miligramas de emissões por quilómetro, enquanto os camiões e autocarros só emitem 210 miligramas por quilómetro.

O ICCT considera que os resultados do estudo mostram mais uma vez a necessidade de complementar os testes de emissões realizados em laboratório com testes de estrada.

Esses testes começarão a ser introduzidos na UE a partir de setembro para veículos particulares, sendo já obrigatórios para camiões.

O Governo alemão escusou-se a comentar o estudo, mas recordou que desde 2011 se trabalha a nível europeu, por iniciativa alemã, para introduzir medições em condições de estrada e não de laboratório.

A organização não-governamental alemã Deutschen Umwelthilfe (DUH) declarou hoje em comunicado que o estudo confirma outras investigações realizadas na primavera do ano passado.

A DUH recordou que o limite de emissões para autorizar a circulação de automóveis particulares do tipo Euro 6 é de 80 miligramas por quilómetro, pelo que muitos modelos diesel novos não teriam sido autorizados a circular se fossem obrigatórias as medições em estrada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Automóveis a diesel geram mais emissões do que camiões e autocarros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião