Há mais empregos nos EUA e os salários estão a subir

Mercado de trabalho norte-americano termina ano em bom plano. Taxa de desemprego atingiu os 4,7% em dezembro, há mais empregos e os salários registaram maior subida desde 2009.

Com os EUA perto de uma situação de pleno emprego, o final de 2016 voltou a trazer boas notícias acerca do mercado de trabalho maior economia do mundo, numa altura em que a Reserva Federal norte-americana (Fed) pondera acelerar o ritmo da retirada de estímulos monetários.

Mais 156 mil empregos foram criados em dezembro, revelou esta sexta-feira Departamento do Trabalho de norte-americano. A média dos analistas sondados pela Bloomberg apontava para 175 mil postos de trabalho. A evolução do mercado laboral permitiu que a taxa de desemprego caísse para 4,7%, o nível mais baixo desde 2007, e que os salários subissem 2,9% face a dezembro de 2015.

“No geral, temos um mercado de trabalho muito forte”, referiu Scott Brown, economista da Raymond James Financial, à Bloomberg. “Há um maior aperto das condições do mercado laboral. As pressões nos salários vão amontoar-se e devemos continuar a assistir mais pressões este ano”, acrescentou.

As últimas atas da Fed revelaram que os responsáveis de política monetária estão mais seguros acerca de mais subidas da taxa de juro de referência ao longo dos próximos tempos, devido ao impacto das políticas orçamentais que Donald Trump pretende introduzir assim que tomar posse no dia 20 de janeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais empregos nos EUA e os salários estão a subir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião