Centeno: Economia vai baixar juros, subir ratings

Ministro das Finanças diz que a economia está forte. Não é por isso que os juros da dívida estão a subir, mas será isso a fazê-los recuar, diz. E vai também puxar pelos ratings.

Os juros da dívida portuguesa têm vindo a agravar-se. Passaram, recentemente, dos 4%, uma escalada que Mário Centeno atribui a riscos e incertezas na Zona Euro, bem como à baixa liquidez no mercado. O ministro das Finanças diz que é um movimento temporário. A economia forte tratará de inverter a tendência e puxar pelos ratings em 2017.

Portugal vai sair do procedimento por défices excessivos em 2016, colocando o défice “muito significativamente abaixo de 3% e com uma probabilidade muito elevada abaixo de 2,4%” da meta do Governo, que já era uma décima inferior à imposta por Bruxelas, diz Centeno em entrevista à Reuters.

Um sinal positivo a que se junta a queda da “dívida líquida de 121,6% do PIB (em 2015) para 120,6% em 2016”. “Se corrigíssemos o facto Banif, que teve um impacto na dívida líquida em 2015 e na dívida bruta em 2016, também a dívida bruta cai em 2016”, nota o governante. Isto além da economia: “é inegável hoje que a situação de aceleração da economia se tem vindo a materializar”, diz.

Neste sentido, “obviamente vemos esta subida (das yields) como temporária associada a fatores muito específicos de incerteza (externa) e de baixa liquidez de mercado (de final de ano)“, disse Mário Centeno. A taxa a 10 anos superou recentemente a fasquia dos 4%, um movimento que explica com a tensões na Zona Euro.

“A nossa perspetiva é a de que as tensões que se colocam na Europa, o acelerar da inflação nos últimos meses, em particular em dezembro, que teve uma tradução quase imediata nos yields da dívida pública praticamente em todos os países europeus, pesam num determinado sentido”. “Mas, os fundamentos da economia portuguesa são hoje mais fortes (…) Na dimensão nacional, nós temos vindo a reforçar claramente os fundamentos da nossa economia”, disse.

Ratings? Centeno acredita que vão subir

“Eu acho que os fundamentos da economia portuguesa aproximam-na de outras economias que têm taxas bastante mais baixas do que as nossas e eu acho que esse é um movimento (de correção) natural”, diz Centeno, salientando a importância de conseguir atrair novos investidores para a dívida nacional. Mas para isso, é preciso que a dívida portuguesa tenha ratings melhores.

“Para entrar em outros investidores internacionais, nós precisamos de trabalhar muito afincadamente na melhoria dos ratings da nossa economia e é o grande desafio que temos pela frente”, afirmou o ministro à Reuters. “Olhando para aquilo que é a análise temporal que as agências tipicamente fazem e para os números da economia portuguesa, eu estou muito esperançado, e trabalharemos nesse sentido, para que isso aconteça”.

Emissão sindicada “a breve trecho”

 

 

Portugal ainda não foi ao mercado, este ano. Mas Centeno diz que isso acontecerá muito em breve. O ministro referiu que Portugal está a preparar o plano de financiamento, “que passa precisamente por uma colocação de dívida nessas condições [operação com recurso a um sindicato bancário] e pode acontecer a breve trecho”. Mas a almofada de liquidez dá tranquilidade ao país.

A almofada “está otimizada para cobrir seis meses de colocações de dívida, em média”, disse. “Por isso, é importante olhar para a dívida líquida porque está já arrecadado o montante de capitalização máximo – porque não sabemos quanto vamos usar desse montante – da CGD, o que nos deixa numa situação confortável face a essa possível pressão”.

“O Estado conseguiu, na sua situação de tesouraria, antecipar essa situação. Portanto, não estamos dependentes dos mercados, neste momento, para essa operação”, afirmou. “Enquanto não houver uma classificação mais positiva do ponto de vista do ratings da economia portuguesa, (essa almofada) tem de ser mantida e tem de ser gerida em termos financeiros para acomodar o seu custo”, remata.

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€