Mundial: Mais 16 seleções e muitos mais milhões

  • Leonor Rodrigues
  • 10 Janeiro 2017

A FIFA aprovou por unanimidade o alargamento de 32 para 48 seleções a competir nos campeonatos mundiais a partir de 2026. Um aumento de se vai refletir também nas receitas do organismo.

O Conselho da FIFA aprovou esta terça-feira por unanimidade o alagamento da fase final do Mundial de futebol a partir de 2026. Mais equipas vão ter oportunidade de participar na fase final da competição, ao mesmo tempo que organismo vai conseguir recolher mais uns milhões em receitas.

Na prática, em vez das habituais 32 seleções vão estar a competir 48, distribuídas por três grupos de 16 equipas. De acordo com o comunicado na rede social Twitter, a alteração – que tem como objetivo aumentar a qualidade da competição – só será efetiva a partir de 2026, o que significa que nos campeonatos do Mundo da Rússia e do Qatar vão continuar a competir as 32 seleções, número definido pela FIFA em 1998.

O número de seleções aumenta mas as receitas também: com esta alteração, o organismo desportivo conta aumentar as suas receitas em cerca de 20%. De acordo com a Bloomberg, os ganhos da FIFA podem aumentar em 6,5 mil milhões de dólares (cerca de 6,2 mil milhões de euros).

A partir de 2026 vão também haver mais jogos: 80 em vez dos habituais 64, que irão decorrer em pouco mais de um mês. Outro objetivo da FIFA é conseguir agendar as partidas para o horário nobre nos principais mercados e não tendo em conta apenas o país que acolhe o campeonato.

No próximo campeonato do mundo, na Rússia em 2018, o organismo espera encaixar 5,5 mil milhões de dólares (5,2 mil milhões de euros).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mundial: Mais 16 seleções e muitos mais milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião