Ségolène Royal: não há “razão para pensar que a Renault cometeu uma fraude como a Volkswagen”

  • Margarida Peixoto e Lusa
  • 15 Janeiro 2017

A ministra francesa da Ecologia, Ségolène Royal, defende que por enquanto não há "nenhuma razão" para pensar que a Renault cometeu uma fraude idêntica à da Volkswagen.

Esperar para ver. Ségolène Royal garante que, por enquanto, não tem “nenhuma razão para pensar que a Renault cometeu uma fraude como a Volkswagen”, ao nível das emissões de gases nos motores diesel. A ministra francesa da Ecologia remeteu, por enquanto, o caso para a justiça.

“Compete à justiça apurar a situação”, disse, numa entrevista publicada este domingo no semanário “Le Journal du Dimanche”.

A ministra explicou também que a abertura de uma investigação judicial à Renault “pode vir a ser seguida por outros construtores nos quais foram também detetadas anomalias” durante a investigação ordenada pelo Governo francês.

"Os controlos efetuados estavam muito acima das normas estabelecidas. É o caso de outros construtores com medidas diferentes. Admito que também possa haver outras investigações.”

Ségolène Royal

Ministra francesa da Ecologia

“Os controlos efetuados estavam muito acima das normas estabelecidas. É o caso de outros construtores com medidas diferentes. Admito que também possa haver outras investigações”, disse a ministra.

Na sexta-feira, a Renault foi alvo de buscas relacionadas com suspeitas de fraudes ao nível das emissões poluentes, segundo informou a agência de notícias AFP. As ações do fabricante automóvel francês Renault caíram na sexta-feira mais de 20% na bolsa de Paris, depois de os sindicatos terem feito esta revelação.

As autoridades antifraude francesas estiveram em diversos locais de produção da Renault, segundo fontes sindicais, que referiram ainda que o raide apontava para investigações relacionadas com as emissões poluentes. O alvo da investigação foram fábricas de motores da marca francesa o que sugere, segundo o sindicato, que as buscas “estão ligadas às consequências do escândalo da Volkswagen”.

A fonte citada pela AFP referiu que as buscas ocorreram no centro de engenharia de Lardy, o centro tecnológico de Guyancourt (Yvelines), nas instalações de Plessis-Robinson e na fábrica de Boulogne-Billancourt (Hauts-de-Seine).

No seguimento do escândalo da manipulação das emissões poluentes na Volkswagen, a Renault informou em dezembro passado que iria investir 50 milhões de euros para aproximar as emissões nos testes com a condução real.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ségolène Royal: não há “razão para pensar que a Renault cometeu uma fraude como a Volkswagen”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião