Volkswagen gasta mais mil milhões no escândalo das emissões poluentes

A Volkwagen chegou a um novo acordo nos Estados Unidos com reguladores e proprietários e vai gastar mais mil milhões de dólares para reparar ou comprar 83 mil veículos da VW, Audi e Porsche.

A Volkswagen vai gastar mais mil milhões de dólares a reparar ou a comprar automóveis com o mecanismo de manipulação dos testes às emissões poluentes, mediante um novo acordo com os reguladores e proprietários norte-americanos assinado esta terça-feira. O acordo abrange cerca de 83 mil modelos de luxo da Volkswagen, da Audi e da Porsche, com motores de três litros a gasóleo e fabricados a partir de 2009.

O acordo prevê também a criação de um fundo com vista a mitigar o impacto ambiental dos veículos da fabricante, no valor de 225 milhões de dólares. Outros 25 milhões de dólares servirão de apoio aos “esforços” para disponibilizar automóveis elétricos a mais pessoas na Califórnia.

Segundo a Bloomberg, a Volkswagen poderá reparar os veículos com o mecanismo manipulador se isso for aprovado pelo governo. Mas, à semelhança de um acordo anterior, que abrangeu 475 mil carros com motores de dois litros a diesel, a marca poderá adquirir alguns dos modelos mais antigos aos proprietários.

Desde que o escândalo veio a público, a marca já aceitou gastar mais 19 mil milhões de dólares para resolver a situação, só nos Estados Unidos da América e Canadá. O certo é que o número ainda deverá aumentar, tendo em conta os processos judiciais que que ainda estão em curso, indica o jornal britânico The Guardian.

“É um importante passo em frente nos nossos esforços de resolver a situação aos nossos clientes. Estamos focados em recuperar a confiança de todos os nossos acionistas e agradecemos aos nossos clientes e distribuidores pela paciência à medida que o processo avança”, apontou a Volkswagen num comunicado. Ainda há pormenores por fechar.

Este novo acordo abrange também a Bosch, que desenvolveu o software para os veículos da Volkswagen e que é acusada e também ter estado envolvida no esquema da manipulação de emissões poluentes. Porém, a empresa indicou em comunicado que “nem reconhece os factos alegados pelos requerentes nem aceita qualquer responsabilidade” no caso.

Em setembro do ano passado, a fabricante alemã Volkswagen admitiu ter instalado software para manipular os testes às emissões poluentes em 475 mil automóveis com motores a dois litros nos Estados Unidos — segundo o The Guardian, chegam a emitir até 40 vezes mais do que os limites legais. Mas a extensão do problema era ainda maior. Mais tarde, a empresa reconheceu que um mecanismo semelhante também fora instalado nos carros com motores de três litros e que 80 mil automóveis nos Estados Unidos estariam com emissões nove vezes acima dos limites.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Volkswagen gasta mais mil milhões no escândalo das emissões poluentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião