Revista de imprensa internacional

O ataque de um camião num mercado de Natal em Berlim continua nas manchetes dos principais jornais europeus. Autor do crime continua a monte. E Espanha toma precauções para evitar atentado semelhante.

É inédito. Os principais bancos franceses vão processar o Banco Central Europeu (BCE) por este exigir provisões contra depósitos que são garantidos pelo Estado. Na Alemanha, continua a caça ao homem responsável pelo ataque terrorista com um camião num mercado de Natal em Berlim, um atentado que deixou as autoridades espanholas em alerta.

Financial Times

Bancos franceses processam BCE

Os maiores bancos franceses, entre eles o BNP Paribas, Société Générale e Crédit Agricole, vão processar o Banco Central Europeu (BCE), numa tentativa de obter isenção em relação à detenção de capital conta alguns depósitos garantidos pelo Estado, naquela que é a primeira vez em que um grupo de grandes bancos europeus leva o supervisor à barra do tribunal. O processo vai opor a elite financeira gaulesa ao conselho de supervisão do BCE, que é liderado pela ex-líder da autoridade prudencial francesa, Daniele Nouy. Fonte próxima do processo adiantou que os bancos protestam contra a exigência do BCE de colocar capital de lado que sirva de garantia para uma conta depósito especial, livre de impostos, através da Caisse des Dépôts, argumentando que são forçados por lei a depositar a maior parte do dinheiro que recebem no âmbito da CDC e que não devem ser penalizados por isso. Além disso, a CDC é também detida pelo Estado. Leia a notícia completa no Financial Times (Acesso pago/Conteúdo em inglês)

Bloomberg

Fundo de resgate não chega para o buraco da banca italiana

Os bancos italianos precisam de pelo menos 52 mil milhões de euros para proceder à limpeza dos seus balanços, um montante muito superior ao plano de resgate proposto na segunda-feira pelo Governo italiano. Este montante é uma estimativa da Bloomberg sobre o volume de provisões que os bancos necessitariam para fazer face às perdas com empréstimos que permita a venda de dívida tóxica. Leia a notícia completa na Bloomberg (Acesso gratuito/Conteúdo em inglês)

Reuters

Continua a caça ao homem na Alemanha

As autoridades alemãs libertaram esta terça-feira um paquistanês que era o suspeito de ter perpetrado um ataque com um camião num mercado de Natal em Berlim e que matou 12 pessoas. O suspeito foi libertado por falta de provas e o ministro do Interior adianta que o verdadeiro autor do ataque terrorista ainda está a monte. O Estado Islâmico já anunciou a autoria do ataque, referindo-se ao autor como um “soldado” do grupo terrorista. Leia a notícia completa na Reuters (Acesso gratuito/Conteúdo em inglês)

El Confidencial

Espanha em alerta com terroristas

Por causa do ataque de um camião na capital alemã, as forças de segurança espanholas vão intensificar o controlo sobre os veículos pesados junto de áreas urbanas na época de Natal. Em Madrid, a polícia municipal e a polícia nacional decidiram vedar zonas de maior aglomeração de pessoas, reforçando a sua presença para impedir que camiões suspeitos possam ser utilizados para um ataque semelhante ao de Berlim ou Nice. Leia a notícia completa no El Confidencial (Acesso gratuito/Conteúdo em espanhol)

BBC

Explosão em mercado de fogo-de-artifício mata 30 no México

Uma explosão num mercado de fogo-de-artifício nos arredores da capital do México matou pelo menos 31 pessoas. Mais 70 ficaram feridas na sequência do incidente no mercado de San Pablito, em Tultepec, a cerca de 32 quilómetros da Cidade do México. A causa da explosão ainda não é conhecida. O governador do Estado do México, Eruviel Avila, revelou que algumas crianças apresentam queimaduras em mais de 90% do corpo, tendo sido encaminhadas para a cidade norte-americana de Galveston, no Texas, para tratamento especializado. Leia a notícia completa na BBC (Acesso gratuito/Conteúdo em inglês)

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião