Consumo real dos automóveis 42% acima do anunciado

  • ECO
  • 21 Dezembro 2016

A Federação Europeia dos Transportes e Ambiente conclui que os valores errados de consumos têm um custo médio de 450 euros por ano para os consumidores.

O seu carro consome o que a marca anunciava? Provavelmente não. Mas é normal. De acordo com um estudo da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente, a diferença entre o consumo real e o apresentado pelas fabricantes é de 42%, o que se traduz em custos avultados para os condutores. Gastam, em média, mais 450 euros por ano em combustível do que o previsto.

É cada vez maior a diferença entre o consumo de combustível relatado pelos fabricantes de automóveis com base em testes de laboratório e o consumo real em estrada, defende a federação da qual faz parte a Quercus, num estudo citado pela TSF. Registam-se diferenças sempre acima dos 35%, com a diferença média “a crescer de forma exponencialmente nos últimos ano”.

Atualmente, em toda a indústria automóvel, essa diferença média é de 42%, quando em 2012 se ficava pelos 28%, sendo a Mercedes a fabricante que apresenta o maior diferencial entre o consumo medido e aquele que efetivamente se verifica na utilização real do veículo: mais de 50% de diferença.

O trabalho defende que há sinais claros de que várias marcas estão a manipular os dados relativos à eficiência no consumo, o que terá um peso médio de 450 euros por ano no bolso dos condutores europeus face ao publicitado pelas marcas.

 

Além dos consumidores, o presidente da Quercus, João Branco, diz que também o Estado fica a perder pois a cobrança de impostos está muito dependente do consumo de combustível e do desempenho ambiental.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consumo real dos automóveis 42% acima do anunciado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião