Isabel dos Santos assume empresa da Sonangol responsável pela produção de petróleo

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2016

Isabel dos Santos foi "indicada" para o cargo de presidente da comissão executiva da Sonangol Pesquisa & Produção, depois de exonerar a atual administração da empresa.

A presidente do conselho de administração da Sonangol, Isabel dos Santos, exonerou hoje a comissão executiva da empresa da petrolífera estatal angolana responsável pela pesquisa e produção de petróleo, passando a assumir essas funções, alegando “desvios financeiros” detetados.

A decisão consta de um comunicado distribuído hoje à imprensa pela administração da petrolífera, exonerando o presidente da presidente da comissão executiva da Sonangol Pesquisa & Produção, Carlos Saturnino Guerra Sousa e Oliveira e restantes elementos.

“A Sonangol P&P é a empresa do grupo Sonangol que durante a avaliação efetuada apresentou as maiores debilidades de gestão e consequentemente de desvios financeiros”, refere o comunicado.

Até aqui administradora não executiva – além de presidente do conselho de administração do grupo -, Isabel dos Santos foi “indicada” para o cargo de presidente da comissão executiva da Sonangol Pesquisa & Produção, além dos vogais Edson Santos, Sarju Raikundalia, Bernardo Domingos e Carlos Cardoso, lê-se ainda no documento.

“Esta decisão está alinhada com a postura do novo conselho de administração da petrolífera, de ser consequente com os princípios de rigor e transparência que baseiam a sua gestão”, explica a Sonangol.

A empresa Sonangol Pesquisa & Produção é uma subsidiária do grupo liderado por Isabel dos Santos desde junho último, no âmbito do processo de reestruturação da petrolífera, tendo como objetivo a prospeção, pesquisa e produção de hidrocarbonetos líquidos e gasosos.

A operar desde 1994, tem hoje uma produção operada de 46.000 barris por dia.

A empresa é parceira em vários blocos em Angola, Brasil, Cuba e Iraque, segundo informação do grupo Sonangol.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos assume empresa da Sonangol responsável pela produção de petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião