Empresas públicas de transporte dão mais prejuízo do que o previsto

  • ECO
  • 21 Dezembro 2016

As empresas públicas de transporte deram significativamente mais prejuízo do que as metas previstas nos respetivos orçamentos. Representam dois terços das perdas de todas as empresas do Estado.

As contas das empresas públicas do setor dos transportes não são animadoras — mas são ainda mais negativas do que o previsto nos respetivos orçamentos. Segundo o Jornal de Negócios, os prejuízos totais de 254 milhões de euros registados ao longo do primeiro semestre de 2016 são 33% superiores ao orçamentado, isto é, 64 milhões de euros.

A contribuir para este número estão a Carris, a STCP e os metropolitanos de Lisboa e Porto. O Metro de Lisboa, por exemplo, registava em junho um prejuízo de 47,4 milhões de euros, mais 92% do que o previsto no orçamento, pelas contas do jornal.

Já a Carris teve um prejuízo 34% superior à meta, um desvio de 4,8 milhões de euros que totaliza um prejuízo de 19,2 milhões de euros no semestre. O maior prejuízo é o do metro do Porto, de 123,9 milhões de euros, 50% acima do previsto. É, ainda assim, uma redução de 2,1 milhões de euros em termos homólogos.

De referir que o Setor Empresarial do Estado totalizou prejuízos de 332,7 milhões de euros no semestre, menos 27 milhões de euros face ao orçamentado e, além disso, uma redução de 104 milhões de euros comparativamente com o primeiro semestre de 2015. E no valor total das perdas do primeiro semestre de 2016, o conjunto das empresas públicas de transporte tem o maior peso: cerca de dois terços de todos os prejuízos das empresas do Estado.

Comentários ({{ total }})

Empresas públicas de transporte dão mais prejuízo do que o previsto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião